DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Stefanie Costa Pinto Lopes


Stefanie Costa Pinto Lopes

Fiocruz
DCDIA

Associated researcher





Information extracted from Lattes platform


Last update: 2021/04/15


Degrees

Ph.D. Genética e Biologia Molecular na Universidade Estadual de Campinas em 2012
M.Sc. Genética e Biologia Molecular na Universidade Estadual de Campinas em 2008
B.Sc. Ciências Biológicas na Universidade Estadual de Campinas em 2005


Current projects

2019 a AtualDigiCiência ? Oficina de Vídeos Digitais para Divulgar Ciência
Esta proposta visa à obtenção de apoio financeiro complementar para a realização da 2ª edição do DigiCiência ? Oficina de Vídeos Digitais para Divulgar Ciência. Tendo sua primeira edição sido realizada em 2018, a oficina se propõe a realizar treinamento, por meio de atividades práticas, em espaços com aparato tecnológico disponível e compatível com a natureza da ação, oportunizando que alunos de pós-graduação e pesquisadores interessados realizem as atividades práticas utilizando ferramentas tecnológicas digitais. A proposta que ora apresentamos visa à continuidade e ampliação para a realização de oficinas fora da capital, interiorizando essa importante estratégia de formação para popularização da ciência. Diretamente, o projeto vai beneficiar estudantes e pesquisadores/professores de Pós-Graduação, além de estudantes de Escolas de Ensino Médio, nas localidades onde as oficinas serão realizadas. Indiretamente, como se pretende disponibilizar os vídeos produzidos pelos participantes na homepage institucional, nas mídias sociais digitais da instituição, além de apresentá-los em eventos científicos e distribuí-los na forma de DVD a parceiros e interessados, o projeto vai beneficiar o grande público que eventualmente acessará esse material nesses formatos.
Integrantes: Stefanie Costa Pinto Lopes (coordenador), EDILSON DE SOUZA SOARES, CRISTIANE DE L. BARBOSA.
2019 a AtualDesenvolvimento de novas ferramentas para o estudo do bloqueio de transmissão na malária vivax (Estudo BLOCKVAX)

Integrantes: Stefanie Costa Pinto Lopes (coordenador), LACERDA, MARCUS, MONTEIRO, WUELTON M, Camila Fabbri, Glenda Quaresma Ramos.
2018 a AtualDesenvolvimento de novas ferramentas para busca e validação de alvos moleculares para terapia contra Plasmodium vivax
Malária causada por Plasmodium vivax é a forma da doença mais amplamente distribuída no mundo. Atualmente, 2,5 bilhões de pessoas estão em risco de infecção por P. vivax, sendo que em 2015 ocorreram 8,5 milhões de casos no mundo. O Brasil, juntamente com a Venezuela, é líder de casos nas Américas, sendo 99,5% destes reportados na região denominada Amazônia Legal e, atualmente, mais de 85% dos casos no Brasil são causados por P. vivax. Esta espécie de Plasmodium apresenta várias características biológicas únicas, quando comparado com o P. falciparum, tais como: preferência exclusiva por infecção de reticulócitos; produção de estágios sexuais (gametócitos) observados no sangue periférico de forma bastante precoce após infecção; formação de hipnozoítas (um estágio latente que permanece no fígado), que dificultam o tratamento. Sendo assim, as mesmas medidas de controle utilizadas para P. falciparum tem demonstrado falhas para o controle da Malária Vivax. Atualmente, P. vivax é considerado um patógeno que causa sintomas imunopatológicos graves e um aumento da resistência do parasito à cloroquina tem alarmado a comunidade científica. Ainda, a impossibilidade de cultivo do parasito in vitro por longos períodos, juntamente com suas características particulares, vem desafiando o entendimento da biologia deste patógeno. Nesta proposta pretendemos identificar e caracterizar potenciais alvos moleculares de P. vivax para serem utilizados em estratégias quimioterápicas. Além disso, pretendemos verificar a participação de moléculas envolvidas em distúrbios endoteliais e avaliar potenciais inibidores. Mais especificamente, e considerando o desenvolvimento de fármacos antimaláricos, pretendemos por meio de analises in silico identificar proteínas quinases (principalmente) como alvos moleculares de P. vivax e estabelecer uma plataforma tecnológica para a descoberta de novos fármacos levando em consideração todos os estágios do parasita, incluindo hipnozoítas. Contaremos com a participação do recém-estabelecido Centro Nacional de Pesquisa do Hipnozoíta (FIOCRUZ-RJ), que disponibiliza modelos de primatas não-humanos e infecção com P. cynomolgi, que serão utilizados para avaliação tanto de fármacos quanto de vacinas experimentais geradas nos passos anteriores. Ademais, por meio de sequenciamento de nova geração de todo o transcriptoma (RNA-seq) de P. vivax e análise integrada de dados, esperamos rastrear novos alvos que por ventura ainda não foram considerados nos bancos de dados pré-existentes. Finalmente, pretendemos avaliar fatores do plasma de pacientes infectados capazes de interferir em funções endoteliais, bem como testar inibidores específicos em modelo de infecção murina capaz de induzir complicações imunopatológicas
Integrantes: COSTA, FABIO (coordenador), Stefanie Costa Pinto Lopes, Albrecht, Letusa, CRAVO, PEDRO, LACERDA, MARCUS, BARGIERI, DANIEL Y, MONTEIRO, WUELTON M.
2018 a AtualBrazilian Pv in vitro liver stage

Integrantes: LACERDA, MARCUS (coordenador), Stefanie Costa Pinto Lopes, PIMENTA, PAULO F. P., Claudia Rios Velasquez.
2017 a AtualDesenvolvimento de ferramentas e teste eletrônico para identificação de resistência a cloroquina em plasmodium vivax
O uso de drogas antimaláricas, somado ao uso de ações de controle vetorial, é de fundamental importância para o controle da malária. No entanto, a resistência do Plasmodium vivax à cloroquina (CQ) tornou-se um obstáculo para as estratégias de controle baseadas no uso de antimaláricos. Em 2014, Melo e colaboradores observaram uma relação entre a superexpressão dos genes pvcrt-o e pvmdr-1 com o desenvolvimento de resistência a cloroquina. Esta caracteristica pode ser utilizada como marcador de resistencia a este antimalárico, porem a inexistencia de ferramentas e testes que facilitem a detecção desta superexpressão limitam essa abordagem a pesquisa científica e pouco a rotina laboratorial. Este projeto visa facilitar a detecção do mRNA destes genes através do uso de sensores eletroquímicos. As amostras de RNA, obtidas de pacientes com P. vivax serão coletadas na Fundação de Medicina Tropical Heitor Vieira dourado/AM, onde será diagnosticada a resistência a cloroquina nas cepas de Plasmodium vivax. Estas serão colocadas em contado com sondas de DNA imobilizadas em sensores eletroquímicos, as quais serão capazes de se ligar ao mRNA alvo. Uma sonda de detecção ligada a biotina será utilizada para revelação com estrepavidina ligada a alcalino fosfatase, seguida de medição elétrica, determinando quantitativamente a superexpressão dos genes citados. O desenvolvimento deste método poderá reduzir o tempo de resposta ao paciente sobre a resistencia da cepa infectante a cloroquina de 42 dias para apenas algumas horas. Este trabalho será realizado através de uma colaboração entre a FIOCRUZ, SENAI, FMTHVD/AM e UFAM.
Integrantes: Luis Andre Mariuba (coordenador), Stefanie Costa Pinto Lopes.
2017 a AtualSegurança e Eficácia do Regime Diferenciado de Primaquina no Tratamento de Malária Vivax em Pacientes Deficientes de Glicose-6-Fosfato Desidrogenase
A maioria dos casos de malária no Brasil está relacionada ao Plasmodium vivax, sendo este, capaz de produzir em seu ciclo de vida, formas hepáticas em estágio de latência, denominadas hipnozoítos, que são responsáveis pela recaída da doença. O tratamento convencional da malária causada por P. vivax inicia-se com a administração oral da cloroquina durante três dias para atuar nas formas sanguíneas do protozoário e com o regime oral de primaquina por sete dias na dose de 0.5mg/kg/dia para eliminar as formas hipnozoíticas. Dessa forma, verifica-se que apenas com o uso de primaquina é possível a cura radical da malária vivax, tornando essa droga uma ferramenta essencial para os programas de eliminação da doença. Porém, a preocupação com a sua administração reside no fato do risco de hemólise desencadeado a partir da utilização da primaquina em indivíduos com deficiência da enzima glicose-6-fosfato desidrogenase (G6PD). Sabe-se que o regime terapêutico convencional para tratar malária vivax não é seguro e nem eficaz em deficientes de G6PD e que no Brasil, ainda não se tem como rotina, testes rápidos para detecção de deficiência de G6PD, levando ao uso inseguro de primaquina em deficientes de G6PD e colocando-os em risco de hemólise. A fim de buscar novos meios de solucionar este impedimento para a cura radical da malária vivax no Brasil, este estudo tem como objetivo avaliar se o regime prolongado de primaquina semanalmente durante oito semanas e se o inicio tardio da administração da droga são eficazes e seguros em pacientes com a deficiência de G6PD. Trata-se de um estudo experimental, analítico, longitudinal prospectivo. É um ensaio clínico aberto, randomizado, de quatro braços. A população será́ composta por 60 indivíduos, com diagnóstico de malária vivax confirmado pela gota espessa, atendidos na Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) em Manaus-AM. Será realizado o teste qualitativo (Fluorescent Spot test) e o teste quantitativo através da espectrofotometria para o diagnóstico da deficiência de G6PD. Os 60 pacientes maláricos serão divididos em dois grupos: 30 pacientes deficientes de G6PD e 30 pacientes não deficientes de G6PD. Os 30 pacientes com a deficiência irão ser divididos em três subgrupos de 10 pacientes, sendo que um subgrupo receberá cloroquina mais primaquina durante oito semanas na dose de 0.75mg/kg, o outro subgrupo iniciará o tratamento por primaquina oral na dose de 0.5 mg/kg/dia a partir do quinto dia do início da cloroquina e o terceiro subgrupo receberá apenas cloroquina. O grupo de pacientes não deficientes atuará como grupo controle e receberá o regime terapêutico convencional. Todo o tratamento será realizado de maneira supervisionada. Os pacientes deficientes em G6PD serão e que receberem primaquina serão monitorados durante todo o tempo de tratamento. O desfecho principal será a segurança dos regimes. Todos os grupos terão um seguimento de seis meses após o término do tratamento para avaliar a eficácia do tratamento.
Integrantes: LACERDA, MARCUS V. G. (coordenador), Stefanie Costa Pinto Lopes, MONTEIRO, WUELTON M, Janaina Belem Gama.
2017 a AtualIdentificação de inibidores de quinases com atividade antimalárica baseado em análises de quimiogenômica, bioinformática e fenotípicas: enfoque em plasmodium vivax
A malária continua sendo um grave problema de saúde pública em diversas regiões tropicais e subtropicais, com aproximadamente 200 milhões de casos anuais em todo mundo. No Brasil, o Plasmodium vivax é a principal espécie, responsável por aproximadamente 85% dos casos, e relatos de complicações clínicas associados a esta espécie vem sendo observados. Na ausência de uma vacina efetiva, o tratamento imediato constitui a principal medida de combate à doença. Entretanto, com a recorrente evolução de resistência do parasito aos antimaláricos empregados, torna-se evidente a necessidade de desenvolver novos tratamentos. Dentro desse contexto, o presente projeto tem como objetivo principal identificar compostos que sejam ativos contra alvos moleculares de estágios sanguíneos (assexuados e sexuados) do P. vivax. Primeiramente, será aplicada uma estratégia de genômica comparativa para selecionar proteínas quinases essenciais para o desenvolvimento do P. vivax e do P. falciparum, mas que tenham baixa similaridade com as quinases humanas. Posteriormente, utilizando modelagem por homologia e docking, uma triagem virtual será realizada em uma biblioteca de compostos focados em quinases (Biofocus), e aqueles compostos com potencial inibitório terão suas atividades antimaláricas determinadas por meio de ensaios funcionais. Inicialmente, os compostos serão avaliados em ensaios in vitro com P. falciparum e in vivo utilizando o modelo de infecção experimental com P. chabaudi. Subsequentemente, os compostos que demonstrarem boa eficácia nos ensaios fenotípicos iniciais serão testados ex vivo em isolados de P. vivax na Amazônia. Assim, a proposta visa contribuir para a identificação de novas alternativas terapêuticas para o tratamento da malária, sobretudo vivax.
Integrantes: Fábio Trindade Maranhão Costa (coordenador), Stefanie Costa Pinto Lopes, Macejane Ferreira de Souza.
2017 a AtualProteínas vir: o papel antigênico e patogênico na malária vivax
A malária é uma das principais parasitoses humanas, atingindo cerca de 500 milhões de casos anuais. A doença é transmitida através da picada do mosquito anofelino infectado com parasitas do gênero Plasmodium e chega a matar um milhão de pessoas anualmente. No Brasil, a grande maioria dos casos maláricos é dado pela infecção por Plasmodium vivax. As infecções por este parasita tem impacto significativo sobre a produtividade das populações atingidas, à medida que o curso da infecção é geralmente prolongado e o desenvolvimento de imunidade adquirida em área endêmica leva vários anos. Com o aumento do número de casos graves de malária vivax uma preocupação crescente com métodos alternativos de controle vem surgindo. Um dos fenômenos adesivos melhores associados a patogênese na malária falciparum é a adesão do eritrócito parasitado a eritrócitos não infectados, formando assim uma roseta. Na malária causada por Plasmodium falciparum este fenótipo citoadesivo é frequentemente associado a gravidade da infecção. Ainda, a presença de anticorpos naturalmente adquiridos contra proteínas que medeiam esta interação confere proteção à gravidade da doença, sendo estas proteínas candidatos vacinais contra formas graves da malária falciparum. No entanto, na malária vivax pouco é sabido sobre este fenômeno. Recentemente, foi demonstrado que o P. vivax adere ao receptor Glicoforina C, presente no eritrócito. No entanto, o ligante parasitário nesta interação ainda é desconhecido. Existem evidências de que possivelmente esta interação seria mediada por proteínas VIR, as quais são proteínas polimórficas codificadas pela família multigênica dos genes vir. O projeto aqui apresentado visa elucidar a diversidade dos genes vir preditos adesivos em isolados brasileiros e o seu papel na formação de rosetas em P. vivax. Proteínas VIR preditas adesivas serão expressas em sistema de expressão heteróloga e avaliadas para a sua capacidade de adesão à hemácias não infectadas. A resposta imunológica a estes antígenos será avaliada, bem como a sua relação com a formação de rosetas. Além disso, este projeto propõem o desenvolvimento de um modelo de malária murina para o estudo da patogênese de proteínas citoadesivas de P. vivax. O entendimento da patogênese do parasita poderá auxiliar no desenvolvimento de novas estratégias de controle deste, como, por exemplo, o descobrimento de novos candidatos vacinais e terapêuticos.
Integrantes: Albrecht, Letusa (coordenador), Stefanie Costa Pinto Lopes, Fábio Trindade Maranhão Costa.
2016 a AtualBusca por novos fármacos para o bloqueio de transmissão de Plasmodium vivax (PROJETO BLOQMAL)
A malária é uma doença com caráter infeccioso e endêmico, causada pelo protozoário do gênero Plasmodium, o qual é transmitido pela picada do mosquito do gênero Anopheles. Em Manaus, a espécie predominante é o Plasmodium vivax e embora a doença seja endêmica na Região Amazônica, dados do SIVEP apontam uma queda dos casos de forma gradativa ao decorrer dos anos devido a esforços governamentais para a diminuição da transmissão através de campanhas com ações profiláticas, tratamento dos pacientes infectados e o nivelamento de financiamento para os esforços de controle contra a doença. Em contrapartida, todas essas conquistas realizadas ao longo de décadas de esforços contra a doença podem ser derrotadas pela resistência dos mosquitos aos inseticidas utilizados pela população e principalmente a resistência do parasita aos medicamentos antimaláricos. Uma das ferramentas para resolver este problema, é estudar novas drogas que eliminem efetivamente os gametócitos (forma infectante para o mosquito vetor), gerando assim o bloqueio de transmissão e diminuindo novos casos da doença. Dessa forma, este projeto tem como intuito investigar a atividade antimalárica contra P. vivax de compostos oriundos do Malaria Box, avaliando não somente a ação contra as formas sanguíneas assexuadas do parasito, mas também a ação contra os estágios sexuados (gametócitos) e seu papel na infectividade do parasito no mosquito (bloqueio de transmissão). O trabalho será realizado nas dependências da FMT-HVD, onde os pacientes que aceitarem a participar da pesquisa, terão o sangue periférico coletado. O sangue total do paciente na presença ou não dos compostos do Malaria Box serão utilizados em ensaios de alimentação em membranas dos anofelinos, e então, a taxa de infectividade e o número de oocistos produzidos por mosquitos na presença ou não das drogas serão determinados. Outra parte do sangue será processado para purificação dos gametócitos que serão utilizados para a avaliação dos efeitos dos compostos a serem testados na exflagelação dos gametócitos (viabilidade) e também para a produção de oocistos (in vitro). E ainda, uma terceira parte do sangue coletado, será utilizada para determinação da atividade antimalárica (IC50) destes compostos na maturação ex vivo dos isolados de P. vivax. Com tudo isso, este projeto visa identificar dentre os compostos do Malaria Box, aqueles que tenham atividade contra cepas de P. vivax da Amazônia brasileira e ainda explorar a atividade destes compostos no bloqueio de transmissão da infecção. Atualmente, estamos na era da ?erradicação? da malária, em face de números de casos cada vez mais baixos, inclusive em nosso país. Neste sentido, a busca por intervenções que bloqueiem a transmissão da doença está na linha de frente na erradicação da malária, visto que trabalhos recentes demostraram que estas intervenções na ausência de qualquer outra são capazes de eliminar o Plasmodium do hospedeiro vertebrado, e dessa forma possui grande impacto em ações de controle da doença.
Integrantes: Stefanie Costa Pinto Lopes (coordenador), COSTA, FÁBIO T. M., LACERDA, MARCUS V. G., MONTEIRO, WUELTON M, Camila Fabbri, ANDRADE, FRANCYS S., Glenda Quaresma Ramos.

Current applied research projects

See all projects in Lattes

Recent publications

Articles in journals

A suitable RNA preparation methodology for whole transcriptome shotgun sequencing harvested from Plasmodium vivax-infected patients
2021. Scientific Reports.
Transmission-blocking compound candidates against Plasmodium vivax using P. berghei as an initial screening
2021. MEMORIAS DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ.
Platelet disturbances correlate with endothelial cell activation in uncomplicated Plasmodium vivax malaria
2020. PLoS Neglected Tropical Diseases.
A First Plasmodium vivax Natural Infection Induces Increased Activity of the Interferon Gamma-Driven Tryptophan Catabolism Pathway
2020. Frontiers in Microbiology.
Plasmodium vivax AMA1: Implications of distinct haplotypes for immune response
2020. PLoS Neglected Tropical Diseases.
Rosettes integrity protects Plasmodium vivax of being phagocytized
2020. Scientific Reports.
Computational Chemogenomics Drug Repositioning Strategy Enables the Discovery of Epirubicin as a New Repurposed Hit for Plasmodium falciparum and P. vivax
2020. ANTIMICROBIAL AGENTS AND CHEMOTHERAPY.
Keras R-CNN: library for cell detection in biological images using deep neural networks
2020. BMC BIOINFORMATICS.
A simple, ex vivo phagocytosis assay of Plasmodium vivax merozoites by flow cytometry
2019. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
A new heparan sulfate from the mollusk Nodipecten nodosus inhibits merozoite invasion and disrupts rosetting and cytoadherence of Plasmodium falciparum
2019. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
Genetic sequence characterization and naturally acquired immune response to Plasmodium vivax Rhoptry Neck Protein 2 (PvRON2)
2018. MALARIA JOURNAL.
Chloroquine resistance is associated to multi-copy pvcrt-o gene in Plasmodium vivax malaria in the Brazilian Amazon
2018. MALARIA JOURNAL.
Inhibition of hypoxia-associated response and kynurenine production in response to hyperbaric oxygen as mechanisms involved in protection against experimental cerebral malaria
2018. FASEB JOURNAL.
The role of the peritrophic matrix and red blood cell concentration in Plasmodium vivax infection of Anopheles aquasalis
2018. Parasites & Vectors.
Promising approach to reducing Malaria transmission by ivermectin: Sporontocidal effect against Plasmodium vivax in the South American vectors Anopheles aquasalis and Anopheles darlingi
2018. PLoS Neglected Tropical Diseases.
In silico epitope mapping and experimental evaluation of the Merozoite Adhesive Erythrocytic Binding Protein (MAEBL) as a malaria vaccine candidate
2018. MALARIA JOURNAL.
Use of anthropophilic culicid-based xenosurveillance as a proxy for Plasmodium vivax malaria burden and transmission hotspots identification
2018. PLoS Neglected Tropical Diseases.
Insights into the Cytoadherence Phenomenon of Plasmodium vivax: The Putative Role of Phosphatidylserine
2017. Frontiers in Immunology.
Rheopathologic Consequence of Plasmodium vivax Rosette Formation
2016. PLoS Neglected Tropical Diseases (Online).
A purification methodology for viable and infective Plasmodium vivax gametocytes compatible with transmission blocking assays
2015. Antimicrobial Agents and Chemotherapy (Print).
Paucity of Plasmodium vivax mature schizonts in peripheral blood is associated with their increased cytoadhesive potential
2014. The Journal of Infectious Diseases.
On the Cytoadhesion of Plasmodium vivax Infected Erythrocytes
2010. The Journal of Infectious Diseases.
Violacein Extracted from Chromobacterium violaceum Inhibits Plasmodium Growth In Vitro and In Vivo
2009. Antimicrobial Agents and Chemotherapy (Print).

Papers in conferences

Avaliação In Vivo E In Vitro Da Atividade Anti-Plasmodial Da Violaceína Extraída Da Chromobacterium Violaceum
2007. XV Jornadas de jóvenes investigadores de la associación de universidades grupo montevideo. 0

Extended abstracts in conferences


Abstracts in conferences

Avaliação de proficiência no diagnóstico de malária por microscopia: desenvolvimento de uma ferramenta para garantir acesso a um diagnóstico com qualidade
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
VIABILIDADE DE GAMETÓCITOS E OOCINETOS FRENTE A COMPOSTOS DO MALÁRIA BOX
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
CAPACIDADE ADESIVA E DEFORMABILIDADE DE ERITRÓCITOS INFECTADOS POR ESTÁGIOS ASSEXUAIS DE PLASMODIUM VIVAX
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
ATIVAÇÃO DA ENZIMA IDO AUMENTA NÍVEIS DE QUINURENINA NA MALÁRIA
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
ANÁLISE DO EFEITO DA PRIMAQUINA NA INFECÇÃO DE Anopheles aquasalis
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
AVALIAÇÃO DE MICRORNAS NA RESPOSTA ENDOTELIAL FRENTE A ESTÍMULO COM PLASMAS DE PACIENTES INFECTADOS POR PLASMODIUM VIVAX
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
HETEROGENEIDADE DA RESPOSTA ENDOTELIAL EM PACIENTES SINTOMÁTICOS COM MALÁRIA POR PLASMODIUM VIVAX
2018. 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
Opsonizing anti N-terminal PvMSP1 antibodies minimize antigenic polymorphism
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Adhesiveness Properties and Immunogenicity of VIR proteins in vivax malaria
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Cell response on malaria vivax thrombocytopenia
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Ex vivo antimalarial activity and semisynthesis of limonoids isolated from Andiroba (Carapa guianensis)
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Innate immune activation induces kynurenine pathway and increases T regulatory cells in malaria
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
The pan-reactivity of the Merozoite Adhesive Erythrocytic Binding Protein (MAEBL) validated by Reverse Vaccinology, reveals a promising malaria vaccine candidate
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Rosetting ability and adhesion of P. vivax gametocytes to endothelial cells and their influence on infectivity in Anopheles aquasalis
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Use of ivermectin for transmission blocking of Plasmodium vivax in Anopheles aquasalis and Anopheles darlingi
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Widespread platelet activation is not a prominent feature in Plasmodium vivax malaria
2017. 6th Internactional Conference on Plasmodium vivax Research.
Ivermectina inibe o desenvolvimento de Plasmodium vivax em Anopheles darlingi e Anopheles aquasalis
2017. 53° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
Resposta celular associada a trombocitopenia durante a malária vivax
2016. 52° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
Efeito da ivermectina sobre Plasmodium vivax e sua interação em Anopheles aquasalis
2016. 52° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.
Formação de rosetas e adesividade dos gametócitos a células endoteliais e sua influência na infectividade de Anopheles aquasalis
2016. 52° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical.

See all publications in Lattes

Current students

MS

Aline de Souza Santiago. Avaliação da atividade do antimalárico Atovaquona na sobrevida de Anopheles aquasalis e no bloqueio de transmissão de Plasmodium vivax. Início: 2021. Universidade do Estado do Amazonas (Orientador principal)
EUNICE BRANDÃO DE ALMEIDA. Estudo da prevalência e diversidade de Wolbachia (Rickettsiales:Rickettsiaceae) em Anopheles spp. coletados em Manaus e arredores. Início: 2021. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)
NATALIA STEFANY DA SILVA PEREIRA. Avaliação da atividade entomopatogênica em mosquitos Anopheles transmissores de malária de fungos da Coleção da Fiocruz Amazônia. Início: 2020. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)
MACEJANE FERREIRA DE SOUZA. SENSIBILIDADE A ANTIMALÁRICOS DE ISOLADOS DE PLASMODIUM VIVAX COLETADOS A FRESCO E CRIOPRESERVADOS. Início: 2019. Universidade do Estado do Amazonas (Orientador principal)
DAYANNE KAMYLLA ALVES BARROS DA SILVA. Avaliação do papel da Proteína 2 do Pescoço de Roptria em esporozoítas de Plasmodium vivax. Início: 2019. Universidade do Estado do Amazonas (Orientador principal)
Gabriel Soares de Oliveira. Avaliação da função de anticorpos contra a proteína 2 de pescoço de roptria na invasão de Plasmodium vivax à reticulócitos. Início: 2019. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)

PhD

ERICK FROTA GOMES FIGUEIREDO. BUSCA DE NOVOS FÁRMACOS CONTRA HIPNOZOÍTOS DE Plasmodium vivax ATRAVÉS DE TRIAGENS QUIMIOGENÔMICAS. Início: 2019. Universidade do Estado do Amazonas (Orientador principal)
GLENDA QUARESMA RAMOS. ANÁLISE ULTRAESTRUTURAL E INFECTIVIDADE DO Plasmodium vivax FRENTE AO USO DE ANTIMALÁRICOS. Início: 2016. Universidade do Estado do Amazonas (Orientador principal)
João Conrado Khouri dos Santos. Patogênese da citoaderência na malária por Plasmodium vivax: o papel das plaquetas. Início: 2015. Universidade Estadual de Campinas (Co orientador)

See all students in Lattes