DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Ricardo de Souza Kuchenbecker


Ricardo de Souza Kuchenbecker

Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia

Pesquisador colaborador





Informações resumidas do Currículo Lattes


Currículo Lattes atualizado em 21/02/2021

Nome em citações bibliográficas: KUCHENBECKER, R.;Kuchenbecker, R.;Kuchenbecker, Ricardo S;Kuchenbecker, Ricardo;Kuchenbecker, R. S.;Kuchenbecker, R.S.;Kuchenbecker, R. de S.;Kuchenbecker, Ricardo S.;KUCHENBECKER, RICARDO DE SOUZA;DE SOUZA KUCHENBECKER, RICARDO;Kuchenbecker RS;DE S. KUCHENBECKER, RICARDO


Formação acadêmica

Doutorado em Epidemiologia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2006
Mestrado em Epidemiologia na Universidade Federal de Pelotas em 1999
Graduado em Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1993


Projetos de pesquisa em andamento

2020 a AtualDesenvolvimento e Validação de Modelo Multivariável de Predição do Tempo de Permanência Hospitalar em Pacientes Internados em Caráter de Urgência: Utilização de Métodos de Aprendizagem de Máquina
Projeto de dissertação de Mestrado vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com participação do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) como Instituição executora, consistindo em levantamento retrospectivo de dados do prontuário eletrônico do Hospital Moinhos de Vento (HMV) de Porto Alegre-RS, a institução coparticipante, um hospital geral, privado, das internações de todos os pacientes com 14 anos ou mais admitidos, consecutivamente, através do departamento de emergência, no período compreendido entre junho de 2011 e fevereiro de 2019, identificando variáveis preditoras disponíveis na chegada e em até 24 horas após a admissão, para desenvolvimento de modelo estatístico, através de algoritmos supervisionados de aprendizagem de máquina, analisando dados estruturados, objetivando a construção e validação de modelo preditivo multivariado para o tempo de permanência hospitalar, que tenha performance superior à utilização da média, da mediana e de um modelo de regressão linear, com ou sem a transformação logarítmica da variável dependente. Desfecho primário: tempo de permanência hospitalar. Desfecho secundário: mortalidade hospitalar.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Luis Antonio Nasi, Gabriel Dalla Costa.
2020 a AtualDesenvolvimento e implantação de estratégias de qualificação da Vigilância Epidemiológica Hospitalar de casos de Covid-19 no Rio Grande do Sul usando a ciência de dados
A vigilância epidemiológica hospitalar (VEH) possui um importante papel na resposta dos serviços de saúde à pandemia causada pela Covid-19, sobretudo num contexto de escassez de informações sobre prevalência que permitam estimar com segurança e acurácia as taxas de morbidade, mortalidade e letalidade. O objetivo geral do projeto é desenvolver e implantar estratégias de qualificação da VEH do Covid-19 nos hospitais de referência para, a partir de modelos computacionais de predição e prognóstico utilizando ferramentas de inteligência artificial, estimar taxas de utilização de recursos assistenciais (leitos, leitos de terapia intensiva e ventilação mecânica), de morbidade e de letalidade em tempo oportuno para o monitoramento e avaliação da resposta do RS à pandemia. O projeto reúne equipe de trabalho composta por 23 pesquisadores de das Universidades Federais do Rio Grande do Sul e Goiás, das Ciências da Saúde de Porto Alegre e da Universidade de Brasília, além das lideranças assistenciais e de ensino e pesquisa do Hospital Moinhos de Vento e do Hospital de Clínicas de Porto Alegre e Técnicos Científicos da Secretaria de Planejamento, Orçamento e Gestão do Estado do RS. O projeto prevê: a) desenvolvimento e implantação de sistemática de coleta e análise de dados de morbidade e mortalidade de casos suspeitos ou confirmados de Covid-19 utilizando ferramentas on-line alimentadas pelos Núcleos de VEH dos hospitais de referência ao atendimento da epidemia no RS; b) desenvolvimento de sistemática de processamento das informações de internações hospitalares, índice de comorbidades de Charlson, tempo médio de internação em leitos não críticos e leitos críticos, número de pacientes em ventilação mecânica em pacientes com e sem infecção pelo SARS-Cov-2, mortalidade e letalidade por Covid-19 implantadas pelos Núcleos de VEH em dez dos hospitais de referência do RS.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Otávio Bittencourt, Camey SA, Santos, Helena B, Jose Miguel Dora.
2017 a AtualDesenvolvimento de Novos Métodos para Gestão de Operações em Sistemas de Saúde: estudos no Hospital de Clínicas de Porto Alegre
Serviços de saúde são exemplos de sistemas sócio-técnicos complexos (SSC), visto que possuem características como variabilidade, incerteza, diversidade de elementos (sejam eles técnicos, sociais e organizacionais) que interagem dinamicamente. Tais características, em conjunto com as pressões por eficiência e a evolução tecnológica, com potencial para acidentes de grande impacto, têm despertado crescente interesse profissional e acadêmico pelo uso de novas abordagens de gestão de operações em sistemas de saúde. Nesse contexto, os métodos de modelagem, gestão e simulação de operações em ambientes hospitalares devem ser compatíveis com a natureza complexa desses ambientes. Novas lentes teóricas, como a engenharia de resiliência (ER) constituem uma opção para o desenvolvimento de práticas gerenciais mais eficientes, eficazes e seguras. A presente proposta de pesquisa trata do desenvolvimento de novos métodos de gestão de operações em ambientes hospitalares, abordando os mesmos como SSC, sob a perspectiva da ER e tem como objetivos específicos: (a) desenvolver um método para avaliar e influenciar, por meio de decisões e ações gerenciais, as interações entre fluxos hospitalares; (b)desenvolver um método para modelar e influenciar redes sociais de resiliência em ambientes hospitalares; (c) desenvolver um método para avaliar o uso do princípio da produção puxada em ambientes hospitalares;(d) desenvolver um método para gestão de requisitos operacionais e do ambiente construído em hospitais; (e) desenvolver um método para avaliar a interação entre fluxos de pessoas e ambiente construído para o serviço de saúde.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), BUENO, WAGNER PIETROBELLI, WACHS, PRISCILA, Tarcísio Saurin, Caroline Brum Rosso, Bruna Gayer.
2016 a AtualEstratégias de qualificação da vigilância epidemiológica e do monitoramento da resposta ao diagnóstico e tratamento da infecção pelo HIV/Aids na cidade de Porto Alegre
Em um país perto de atingir o marco de um milhão de pessoas convivendo com o vírus do HIV, o presente trabalho propõe a elaboração da Cascata de Cuidado para o HIV da cidade de Porto Alegre, baseada no relacionamento de bases de dados nacionais de vigilância e assistência médica brasileira, seguindo as recomendações do Ministério da Saúde do Brasil (BRASIL, 2017a). A estratégia permite estimar o número de PVHA em cada um dos estágios da cascata de atendimento. Adicionalmente, um painel de gestores e especialistas foi convocado para avaliar a capacidade instalada e operacional de serviços de saúde especializados do município, de forma a caracterizar a demanda e oferta de consultas de pessoas vivendo com HIV/Aids nos serviços de saúde. Características sociais, demográficas e parâmetros laboratoriais foram avaliadas também, sendo a apresentação tardia definida como a primeira contagem de células CD4 abaixo de 350 células / mm³. Como outras doenças, e como foi demonstrado em numerosos estudos publicados nas últimas décadas, o HIV não afeta a população de forma homogênea. O Ministério da Saúde (MS) brasileiro estima a taxa de prevalência de 0,4% na população geral, enquanto o Rio Grande do Sul e Porto Alegre ainda apresentam prevalências acima de 0,8%. A maior concentração de casos de Aids no Brasil hoje está entre jovens, de ambos os sexos (Brasil, 2017). Ainda se evidenciam importantes iniqüidades em saúde relacionadas ao diagnóstico oportuno do HIV e cuidados de saúde eficazes para PVHA. Subgrupos que compartilham certas características biológicas e / ou comportamentais podem encontrar barreiras sociais importantes, que por sua vez afetam o acesso e a adesão ao cuidado do HIV (Lourenço, 2014). Em 2014 a UNAIDS propôs novas metas ambiciosas para acelerar o tratamento da infecção pelo HIV em países de baixa e média renda. Os objetivos, descritos como "90-90-90", propõem que 90% das pessoas com HIV sejam diagnosticadas; deste grupo, 90% após o tratamento; e entre os tratados, 90% com carga viral indetectável até 2020 (UNAIDS, 2014). As análises mostram uma redução progressiva na proporção de PVHA com o status de não diagnosticado. No geral, as proporções para cada uma das etapas da Cascata de Atendimento ao HIV/Aids melhoraram, com menos sujeitos infectados que desconhecem o seu statuso e proporções crescentes de indivíduos caracterizados como retidos nos cuidados, no uso de TARV e alcançando supressão viral. O diagnóstico de PLHWA em tempo hábil (ou seja, CD4 de 350 células / mm³ ou mais) tem maiores chances de aderir aos cuidados e alcançar a supressão viral. Alguns achados sugerem insights sobre o estigma que envolve a doença, já que as pessoas se recusam a aderir aos cuidados, a menos que apresentem quaisquer sintomas da doença. A taxa de diagnóstico, assim como o uso de TARV e as taxas de supressão viral, melhoraram muito desde os primeiros anos da epidemia do HIV, mas parece ter estagnado desde 2010. O desafio da rede de atenção absorver esses indivíduos recém-diagnosticados para o cuidado ainda é um dos obstáculos. Nossa análise mostrou que as mulheres parecem particularmente vulneráveis ? quando se trata de permanecer no cuidado. As conseqüências desse achado para a transmissão de mãe para filho devem ser consideradas à medida que avançamos para atingir as metas do UNAIDS. Embora a vigilância epidemiológica do HIV / AIDS tenha melhorado muito hoje, ainda existem lacunas nas abordagens de saúde pública (Frieden, 2015). O conceito da Cascata de Cuidado para o HIV também destaca a erosão gradual da cobertura da população elegível ao longo das etapas da sequência. Métodos consistentes e relatórios de rotina no domínio público serão necessários para acompanhar o progresso em direção à meta 90-90-90.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Nêmora Tregnago Barcellos, Lucas Pitrez Mocellin, BECK, CAROLINE, PAGANELLA, MACHLINE PAIM.
2015 a AtualDesenvolvimento de competências para a vigilância em saúde: estudo das comunidades de aprendizagem do curso de Especialista em Vigilância em Saúde no SUS
Projeto de pesquisa desenvolvido em parceria com a Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde e o Hospital Sírio Libanês de São Paulo com a finalidade de promover a formação de especialistas em vigilância em saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde. O projeto de formação possui um componente de pesquisa realizado mediante parceria acadêmica entre a Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Programa de Pós-Graduação em Epidemiologia e a Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador).
2014 a AtualEstratégias de qualificação da vigilância epidemiológica e do monitoramento da resposta ao diagnóstico e tratamento da infecção pelo HIV/Aids na cidade de Porto Alegre
Projeto de pesquisa envolvendo Secretaria de Saúde de Porto Alegre e Secretaria de Estado da Saúde do Rio Grande do Sul com o objetivo de desenvolver estratégias de monitoramento da resposta à epidemia de HIV/aids no Rio Grande do Sul e qualificar ações da vigilância epidemiológica
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador).
2014 a AtualProjeto de verificação da prevalência do HIV e sífilis em parturientes no Rio Grande do Sul a partir de dados secundários (cartão pré-natal, prontuário e laudos)
Projeto visando estimar a prevalência da infecção pelo HIV e sífilis a partir da utilização de dados secundários (cartão pré-natal, prontuário e laudos) de parturientes residentes no estado do Rio Grande do Sul e atendidas em maternidades do SUS (Sistema Único de Saúde) e redes conveniadas. Os resultados obtidos possibilitarão comparar a estimativa de HIV e sífilis em parturientes residentes no RS segundo as sete macrorregiões de saúde do estado (metropolitana, missioneira, serra, vales, norte, sul e centro-oeste). Consequentemente, tanto o estado quanto as macrorregiões terão acesso à dados que subsidiarão uma melhor resposta à epidemia do HIV e da sífilis, bem como poderão avaliar a qualidade do pré-natal no estado do RS. Os dados obtidos também poderão indicar como a epidemia está classificada no estado do RS, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (OMS). tamanho da amostra foi determinado para obter a estimativa da taxa de prevalência do HIV em gestantes no Rio Grande do Sul. Levando-se em consideração a estimativa da proporção de gestantes infectadas pelo HIV em 2010/2011, de 0,79% (Szwarcwald et al., 2008), o tamanho da amostra necessário para estimar a proporção de infecção pelo HIV, dentro de um intervalo de confiança de 95% com erro bilateral de 0,15% e efeito de delineamento de 1,1, foi estabelecido em 14.300 parturientes, divididas entre as sete macrorregiões do estado, selecionadas probabilisticamente. Serão coletados dados secundários de parturientes em cada uma das 66 maternidades do SUS ou rede conveniadas selecionadas no estudo. O estudo será desenvolvido em maternidades do SUS e redes conveniadas. As maternidades elegíveis foram aquelas que realizaram mais de 350 partos no ano de 2012. Foi selecionada uma amostra probabilística em âmbito estadual, resultando em um total de 66 maternidades do SUS e redes conveniadas, provenientes das 19 CRSs (Coordenadoria Regional de Saúde), pertencentes às sete macrorregiões de saúde do estado. Objetivo geral: Obter estimativas da prevalência de HIV e sífilis em parturientes residentes no estado do Rio Grande do Sul e atendidas em maternidades do SUS e redes conveniadas. Objetivos Específicos: 1)  Comparar a estimativa de HIV e sífilis em parturientes residentes no estado do Rio Grande do Sul segundo as sete macrorregiões de saúde do estado (metropolitana, missioneira, serra, vales, norte, sul e centro-oeste). 2) Caracterizar a epidemia de AIDS no Rio Grande do Sul segundo os critérios da OMS. 3) Fornecer dados às macrorregiões do estado do RS que subsidiarão a resposta ao HIV e sífilis. 4) Avaliar a qualidade do pré-natal no estado do Rio Grande do Sul.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Rosa Dea Sperhacke, PAGANELLA, MACHLINE PAIM, KATO, SERGIO KAKUTA, Gerson Fernando Mendes Pereira.
2012 a AtualConcepção e implementação de uma abordagem do tipo near miss para a investigação dos óbitos relacionados à AIDS em Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Os pacientes infectados pelo HIV que se apresentam tardiamente aos serviços de saúde frequentemente sofrem problemas graves considerados como near miss ou manifestações graves relacionadas à Aids. A apresentação tardia do HIV é um problema comum relacionado a vários efeitos adversos, inclusive o aumento do risco de progressão clínica, deterioração imunológica e surgimento de resistência viral. Não há estudos prospectivos de caracterização dos fatores relacionados à mortalidade por Aids no Brasil. Para tentar responder quais são os determinantes de morbidade e mortalidade associados à Aids que podem ser atribuídos a fatores relacionados ao paciente e quais são os determinantes relacionados aos serviços de saúde, o presente projeto se propõe a investigar a mortalidade e morbidade relacionadas à Aids com uma abordagem do tipo near miss. O conceito de near miss ou "quase perda" foi originalmente criado pela indústria da aviação para caracterizar a abordagem adotada por operações aéreas no controle do tráfego aéreo. Os casos de near miss em Aids possuem características em comum com a mortalidade relacionada à Aids e, portanto, podem oferecer informações importantes sobre os obstáculos e a capacidade de resposta dos serviços de saúde. Desse modo, uma abordagem do tipo near miss para a Aids pode fornecer dados a iniciativas de melhoria da qualidade com vistas a reduzir a mortalidade e até mesmo a morbidade de longo prazo relacionados à Aids. O principal objetivo da investigação é projetar e implantar uma proposta de critérios de definição e identificação para casos de near miss relacionados à Aids em Porto Alegre, RS. O projeto prevê três estudos com concepções diferentes mas objetivos complementares: 1) Estudo um: estudo observacional prospectivo para caracterizar as causas de internações e mortes relacionadas à Aids em um período de doze meses consecutivos em Porto Alegre; 2) Estudo dois: um estudo caso-controle em hospital com controles hospitalares e comunitários com vistas a caracterizar os preditores de morbidade grave relacionada à AIDS; 3) Estudo três: um estudo qualitativo composto por entrevistas aprofundadas com cuidadores e pacientes que sobreviveram a episódios de morbidade grave relacionada à Aids e um estudo de caso dos serviços de saúde citados por esses pacientes; O projeto será realizado com a participação do Programa de Aids da Secretaria de Saúde de Porto Alegre, RS. As atividades do projeto serão realizadas dentro dos cinco serviços de pronto atendimento, sete hospitais de referência e oito postos de saúde de referência que prestam atendimento especializado em Aids na cidade. O sistema de saúde de Porto Alegre oferece acesso universal e gratuito ao tratamento antirretroviral, conforme determina a legislação brasileira. No entanto, a assistência de saúde e o tratamento da Aids não atingiram o impacto previsto na redução da mortalidade relacionada à Aids. A evolução da epidemia de Aids na cidade levanta a hipótese de que a capacidade de resposta dos serviços de saúde esteja abaixo do ideal. A abordagem de near miss para a Aids irá identificar as causas evitáveis de mortes relacionadas à Aids e, como consequência, permitir a adoção de estratégias para a melhoria da qualidade. Este projeto também irá procurar desenvolver uma ferramenta útil para a detecção de causas evitáveis de mortalidade relacionada à Aids. Esta abordagem, combinada com as atividades do Comitê Municipal de Prevenção à Mortalidade por Aids, pode vir a contribuir para a redução da mortalidade relacionada à Aids no Brasil.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Caroline Beck, André Quevedo, Lucas Pitrez Mocellin, Daniela Riva Knauth, Bárbara Niégia Garcia de Goulart.

Projetos de desenvolvimento em andamento

2007 a AtualESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA INVESTIGAÇÃO E CONTROLE DO SURTO DE ACINETOBACTER SP. ENVOLVENDO A SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE E HOSPITAIS DE PORTO ALEGRE
Projeto colaborativo multicêntrico envolvendo o Hospital de Clínicas de Porto Alegre, Hospital de Pronto Socorro, Hospital Conceição e a Equipe de Vigilância em Saúde da Coordenadoria Geral de Vigilância Sanitária da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. Selecionado no edital número 18 de 7/11/2007 Projeto Serviços de Saúde Sentinela da Agência Nacional de Vigilância Sanitária, conforme Diário Oficial da União de 8/11/2007, Seção 3 página 92. O Acinetobacter sp. é um cocobacilo gram-negativo freqüentemente envolvido em surtos de infecções hospitalares em centros de tratamento intensivo (CTI). A cidade de Porto Alegre vive um surto determinado por essa bactéria desde 2004, que já acometeu mais de uma dezena de hospitais. Algumas dessas instituições já apresentam níveis endêmicos de Acinetobacter sp. Um dos hospitais da cidade relatou à SMS a ocorrência de mais de 300 casos de isolados de Acinetobacter sp multirresistente. O HCPA foi convocado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) de Porto Alegre para assessorá-la tecnicamente na investigação e controle do surto, auxiliando os demais 25 hospitais da cidade em relação ao problema. No período de a 19 de fevereiro a 15 de setembro de 2007, o HCPA identificou 59 pacientes colonizados ou infectados com Acinetobacter baumanii multirresistente no surto bacteriano que afeta o CTI. Trata-se de um surto no qual as medidas de erradicação e controle já foram implantadas, incluindo: estratégia de investigação, identificação de pacientes colonizados, adoção de medidas de restrição da circulação de profissionais de saúde, revisão dos processos assistenciais críticos, rotinas e protocolos assistenciais, rastreamento de profissionais de saúde, culturas de vigilância do ambiente, entre outros aspectos. Há escassos estudos publicados na literatura científica com relação à dinâmica de transmissão de infecções causadas por Acinetobacter sp. em situações de surto. Além disso, poucos estudos estimaram os limiares de endemicid
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Rodrigo Pires dos Santos, Nádia Mora Kuplich, Márcia Rosane Pires, Loriane Konkewicz, Guilherme Becker Sander, Otávio Bittencourt, Afonso Luis Barth, Andreza Martins, Anelise Breier, Helena Barreto dos Santos.
2005 a AtualDESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO DE UMA MATRIZ DE GESTÃO DE COMPETÊNCIAS E RESPONSABILIDADES APLICADA À GESTÃO DE INFECÇÕES HOSPITALARES
Objetivo geral: Desenvolver e implantar uma matriz de responsabilidades e competências no gerenciamento dos fatores associados à ocorrência de infecções hospitalares associadas a procedimentos urinários invasivos e cateteres vasculares centrais no HCPA. Objetivos específicos: 1) Desenvolver e implantar mecanismos de gestão das competências e responsabilidades perante a ocorrência de desfechos clínicos junto aos serviços e unidades assistenciais; 2) Consolidar a implantação de mecanismos de gestão assistenciais voltados a desfechos clínicos específicos relacionados a adesão às melhores práticas e a segurança dos pacientes; 3) Implantar mecanismos de sinergia, avaliação e monitoramento da atuação dos gerentes administrativos e chefias de unidades assistenciais com ênfase na segurança e melhores práticas dispensadas aos pacientes. 4) Avaliar o impacto da implantação de uma matriz de responsabilidades e competências no gerenciamento de infecções hospitalares associadas a procedimentos urinários invasivos e uso de cateteres vasculares no HCPA.
Integrantes: Ricardo de Souza Kuchenbecker (coordenador), Nádia Mora Kuplich, Márcia Rosane Pires, Loriane Konkewicz.
Veja todos os projetos no Currículo Lattes

Últimas publicações

Artigos em periódicos

Patterns of radioiodine use for differentiated thyroid carcinoma in Brazil: insights and a call for action from a 20-year database
2020. Archives of Endocrinology Metabolism.
Coping with complexity in intensive care units: A systematic literature review of improvement interventions
2019. SAFETY SCIENCE.
Clinical, epidemiological, and etiological profile of inpatients with community-acquired pneumonia in a public hospital in the interior of Brazil
2018. Jornal Brasileiro de Pneumologia (Online).
Evolução e elementos-chave do sistema de farmacovigilância do Brasil: uma revisão de escopo a partir da criação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária
2018. CADERNOS DE SAÚDE PÚBLICA.
A predictive model for fall risk in hospitalized adults: a case-control study
2018. JOURNAL OF ADVANCED NURSING.
Recomendação de códigos da CID-10 para vigilância de reações adversas e intoxicações a medicamentos
2018. Ciência & Saúde Coletiva.
Análise da preferência digital de idade no sistema de farmacovigilância do Brasil, 2008-2013
2018. Ciência & Saúde Coletiva.
Text mining approach to predict hospital admissions using early medical records from the emergency department
2017. INTERNATIONAL JOURNAL OF MEDICAL INFORMATICS.
Causalidade em farmacoepidemiologia e farmacovigilância: uma incursão teórica
2017. REVISTA BRASILEIRA DE EPIDEMIOLOGIA (IMPRESSO).
Infection-related microcephaly after the 2015 and 2016 Zika virus outbreaks in Brazil: a surveillance-based analysis
2017. LANCET.
Association of Dyslipidemia and Glucose Abnormalities with Antiretroviral Treatment in a Cohort of HIV-infected Latin American Children
2016. JAIDS-JOURNAL OF ACQUIRED IMMUNE DEFICIENCY SYNDROMES.
Forecasting Daily Volume and Acuity of Patients in the Emergency Department
2016. Computational and Mathematical Methods in Medicine (Print).
Miracle drug: Brazil approves never-tested cancer medicine
2016. Journal of Oncology Pharmacy Practice.
Global, regional, and national disability-adjusted life-years (DALYs) for 315 diseases and injuries and healthy life expectancy (HALE), 1990-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015
2016. LANCET.
Global, regional, and national comparative risk assessment of 79 behavioural, environmental and occupational, and metabolic risks or clusters of risks, 1990-2015: a systematic analysis for the Global Burden of Disease Study 2015
2016. LANCET.
Measuring the health-related Sustainable Development Goals in 188 countries: a baseline analysis from the Global Burden of Disease Study 2015
2016. LANCET.

Trabalhos completos em congressos


Resumos expandidos em congressos


Resumos em congressos

OUTBREAK OF BURKHOLDERIA CEPACIA INFECTIONS ASSOCIATED WITH CONTAMINATED MOUTHWASH
2002. 42nd INTERSCIENCE CONFERENCE ON ANTIMICROBIAL AGENTS AND CHEMOTHERAPY.
NECROTIZING ENTEROCOLITIS OUTBREAK - A CASE-CONTROL STUDY
2002. ASM'S ANNUAL MEETING ON INFECTIOUS DISEASES.

Veja todas as publicações no Currículo Lattes

Orientações em andamento

Mestrado

Doutorado

Laura Fuchs Bahlis. Avaliação do Índice de Comorbidades de Charlson como Preditor de Mortalidade intra- Hospitalar no Hospital de Clínicas de Porto Alegre. Início: 2017. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Orientador principal)

Veja todas as orientações no Currículo Lattes