DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Humberto Correa da Silva Filho


Humberto Correa da Silva Filho

Universidade Federal de Minas Gerais
SAM

Associated researcher





Information extracted from Lattes platform


Last update: 2021/04/12


Degrees

Ph.D. Ciências Biológicas (Fisiologia e Farmacologia) na Universidade Federal de Minas Gerais em 2001
M.Sc. Pharmacologie e Pharmacochimie na Université Louis Pasteur Strasbourg em 1998
B.Sc. Medicina na Universidade Federal de Minas Gerais em 1991


Current projects

2011 a AtualAvaliação longitudinal dos efeitos de uma depressão materna no desenvolvimento infantil.
Estudamos uma coorte de 600 mulheres, acompanhadas e avaliadas periodicamente na gestação e no período pós-parto. Metada dessa coorte tem gestação de risco habitual e outra metade uma gestação de alto risco. Objetivamos avalair a prevalencia de depressão, e outros transtronos psiquiátricos dessas mulheres na gestação e no pós-parto. Estudamos também marcadores biológicos, genéticos, imunológicos e de imagem, potencialmente associados a depressão. Finalmente, as crianças dessas mães são acompanhadas até completarem 05 anos de idade objetivando-se estudar os impactos da depressão materna no neurodesenvolvimento infantil.
Integrantes: Humberto Corrêa da Silva Filho (coordenador).
2010 a AtualAspectos clínicos e moleculares do transtorno bipolar.
O suicídio é considerado um problema de saúde pública e figura entre as dez principais causas de morte em quase todos os países. A Organização Mundial da Saúde (O.M.S.) estima em cerca de novecentos mil o número de mortes por suicídio em todo o mundo, a cada ano, e a tendência seria de aumento. A O.M.S. projeta que em 2020 cerca de 1,5 milhões de pessoas poderão morrer por suicídio, representando 2,4% de todas as mortes mundiais. No Brasil observamos um aumento global nas taxas de morte por suicídio de 21% entre os anos 1980 e 2000 e um aumento ainda mais impressionante, de 1900%, na faixa etária que vai de 15 a 24 anos. O suicídio é comportamento complexo de determinismo multifatorial onde interagem diversos componentes como a doença psiquiátrica, fatores genéticos e neuroquímicos, entre outros. Sabemos hoje que o suicídio acomete quase exclusivamente pessoas que têm um distúrbio psiquiátrico e entre os pacientes psiquiátricos aqueles que apresentam maior freqüência de morte por suicídio são os que sofrem de transtorno bipolar (até 20% dos pacientes bipolares podem se suicidar e pelo menos um terço deles tenta suicídio ao menos uma vez). Um determinismo genético, pelo menos parcial, tem sido também mostrado para o comportamento suicida por meio de estudos de epidemiologia genética: estudos familiares, em estudos com gêmeos, e estudos de adoção. Sabe-se também que apesar do suicídio acometer quase exclusivamente pessoas que têm um distúrbio psiquiátrico, a transmissão do comportamento suicida se faz de forma independente da transmissão da doença psiquiátrica, sendo essa um fator necessário, mas não suficiente para o ato suicida. Sabemos também, por evidências vindas de estudos com diferentes metodologias (pesquisa de 5-HIAA liquórico, neuroendocrinológicos, post-morten) que uma disfunção serotoninérgica estaria mais intimamente associada ao comportamento suicida do que com qualquer patologia psiquiátrica particular. Uma dimensão psicopatológica importante na rel
Integrantes: Humberto Corrêa da Silva Filho (coordenador).
2010 a AtualAvaliação multidimensional do pacientes bipolar:estudo do comportamento suicida, impulsividade, traumas infantis, processamento emcional, ritmo sono-vigilia. Suas associações recíproicas e com genes candidatos.,
A prevalência do transtorno afetivo bipolar (TAB) em estudos da comunidade varia de acordo com os instrumentos e critérios de avaliação. Classicamente é estimada em cerca de 1 a 2% da população, mas quando se ampliam os critérios diagnósticos e se utiliza o conceito de espectro bipolar, temos uma maior prevalência, de até 6,4%. Independentemente dos critérios diagnósticos usados o TAB é um transtorno grave, muitas vezes incapacitante, que, segundo a Organização Mundial de Saúde, está entre as dez doenças que mais causam prejuízos no desempenho laborativo no mundo. Além disso, está freqüentemente associado a comorbidades psiquiátricas e clínicas levando a mortalidade precoce, principalmente devido a doenças cardio-vasculares e ao suicídio. A etiologia do TAB permanece desconhecida. Entretanto, existem evidências substanciais de que seja um transtorno, pelo menos parcialmente, geneticamente determinado, e que possui uma das mais altas herdabilidades entre os transtornos neuropsiquiátricos. Em função dessa alta herdabilidade poder-se-ia imaginar que seria tarefa fácil encontrar os genes associados a esse transtorno, mas, até o momento, os estudos são inconclusivos. As possíveis razões dessa dificuldade são múltiplas. Primeiramente o fato de ser um transtorno de herança complexa, com múltiplas interações epistáticas ou não epistáticas. Outra possível explicação é o fato de se tratar de transtorno heterogêneo do ponto de vista clínico e que essa heterogeneidade seria a expressão de diferentes substratos biológicos. Finalmente, dados recentes mostram a importância das interações gene-ambiente levando a alterações epigenéticas, que, entretanto, são ainda pouco estudadas. Em vista desses dados hipotetizamos que determinados genes podem estar mais intimamente associados a determinadas características do TAB, como, por exemplo, comportamento suicida ou alterações do ritmo sono-vigília de pacientes do que com o fenótipo maior, ?diagnóstico bipolar?, baseado em nossas clas
Integrantes: Humberto Corrêa da Silva Filho (coordenador).

Current applied research projects

See all projects in Lattes

Recent publications

Articles in journals

Probability of Major Depression Classification Based on the SCID, CIDI, and MINI Diagnostic Interviews: A Synthesis of Three Individual Participant Data Meta-Analyses
2021. PSYCHOTHERAPY AND PSYCHOSOMATICS.
Depression and quality of life in individuals with Stargardt?s disease
2020. JORNAL BRASILEIRO DE PSIQUIATRIA (ONLINE).
Accuracy of the Edinburgh Postnatal Depression Scale (EPDS) for screening to detect major depression among pregnant and postpartum women: systematic review and meta-analysis of individual participant data
2020. BMJ-British Medical Journal.
Brazilian Psychiatric Association guidelines for the management of suicidal behavior. Part 1. Risk factors, protective factors, and assessment
2020. REVISTA BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA.
Childhood-maltreatment subtypes in bipolar patients with suicidal behavior: systematic review and meta-analysis
2020. REVISTA BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA.
Addressing interpersonal conflict among healthcare workers during the coronavirus pandemic
2020. REVISTA BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA.
Why psychiatric treatment must not be neglected during the COVID-19 pandemic
2020. REVISTA BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA.
Male and Female Physician Suicidality
2020. JAMA Psychiatry.
Neuropsychiatric Syndromes in Childhood-Onset Systemic Lupus Erythematosus
2020. JCR-JOURNAL OF CLINICAL RHEUMATOLOGY.
Is it time for psychiatry to discuss consensus criteria for euthymia? Clinical, methodological, research, and ethical perspectives
2019. REVISTA BRASILEIRA DE PSIQUIATRIA.
Comparison of major depression diagnostic classification probability using the SCID, CIDI, and MINI diagnostic interviews among women in pregnancy or postpartum: An individual participant data meta-analysis
2019. INTERNATIONAL JOURNAL OF METHODS IN PSYCHIATRIC RESEARCH.
The impact of clinical comorbidities and residual depressive symptoms in sleep quality in euthymic/interepisodic bipolar subjects
2018. PSYCHIATRY RESEARCH.
Childhood trauma and factors associated with depression among inpatients with cardiovascular disease
2017. World Journal of Psychiatry.
A proposal for a new Brazilian six-item version of the Edinburgh Postnatal Depression Scale
2017. TRENDS IN PSYCHIATRY AND PSYCHOTHERAPY.
Genetic Association of the PERIOD3 (Per3) Clock Gene with Bipolar Disorder
2017. Psychiatry Investigation.
Structural brain abnormalities in patients with type I bipolar disorder and suicidal behavior
2017. PSYCHIATRY RESEARCH-NEUROIMAGING.
ACP1 Gene Polymorphism Associated with Suicide Attempt Type in Bipolar Disorder Patients
2017. Psychiatry Investigation.
Gray matter brain volumes in childhood-maltreated patients with bipolar disorder type I: A voxel-based morphometric study
2016. Journal of Affective Disorders (Print).
Cortisol, DHEA, and depression in the elderly: the influence of physical capacity
2016. Arquivos de Neuro-Psiquiatria (Online).
Neural correlates of hallucinations in bipolar disorder
2016. Revista Brasileira de Psiquiatria (Sao Paulo.1999.Impresso).
How Gestational Depression Impacts on Quality of Life
2016. Journal of Depression & Anxiety.
Influence of COMT Val158Met polymorphism on emotional decision-making: a sex-dependent relationship?
2016. Psychiatry Research (Print).
Sleep quality and suicidal behavior in euthymic bipolar patients
2016. Trends in Psychiatry and Psychotherapy.
Postpartum depression symptoms among Amazonian and Northeast Brazilian women
2016. Journal of Affective Disorders (Print).
Antenatal depression: Prevalence and risk factor patterns across the gestational period
2016. Journal of Affective Disorders (Print).
Association of polymorphisms of the tryptophan hydroxylase 2 gene with risk for bipolar disorder or suicidal behavior
2010. Journal of Psychiatric Research.
Is the5-HTTLPR polymorphism associated with bipolar disorder or with suicidal behavior of bipolar disorder patients?
2008. American Journal of Medical Genetics. Part B, Neuropsychiatric Genetics.
Investigation of the A218C polymorphism: association with familial suicide behavior and proband's suicide attempt characterisitics
2006. Genes, Brain and Behavior.
Association between 5-HTT polymorphism and suicidal behavior
2003. Molecular Psychiatry.
Serotonergic function and suicidal behavior in schizophrenia
2002. Schizophrenia Research.

Papers in conferences


Extended abstracts in conferences

Qual a causa da perda funcional em pacientes com demência?
2012. III Reunião Anual do Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento - IBNeC.
Compreeender para Prevenir
2007. II Congresso Latinoamericano de Suicidologia.

Abstracts in conferences

Transtorno bipolar tipo I e tipo II: perfil de tomada de decisão, de impulsividade atencional e prevalência de comorbidades psiquiátrica
2012. VI Simpósio Internacional de Neurociências: Percepção.
Tomada de decisão em pacientes eutímicos e deprimidos com transtorno bipolar
2012. 42ª Reunião Anual da Sociedade Brasieira de Psicologia.
Frequência de histórico familiar de tentativa de suicídio em pacientes diagnosticados com transtorno afetivo bipolar
2012. VI Simpósio Internacional de Neurociências: Percepção.
Estudo preliminar das propriedades psicométricas da versão adaptada da escala de impulsividade de barratt para o contexto brasileiro
2012. III Reunião Anual do Instituto Brasileiro de Neuropsicologia e Comportamento - IBNeC.
Escala de comportamento impulsivo (UPPS): traduação e adaptação para o Brasil
2012. VI Simpósio Internacional de Neurociências: Percepção.

See all publications in Lattes

Current students

MS

Paulo Henrique Teixeira. Depressao e ideação suicida no hospital geral. Início: 2017. Universidade Federal de Minas Gerais (Orientador principal)
Edson Brandao. Impacto de uma depressão peri-parto sobre o desenvolvimento infantil. Início: 2017. Universidade Federal de Minas Gerais (Orientador principal)
Gustavo kasher. Aspectos cronobiológicos no transtorno bipolar. Início: 2015. Universidade Federal de Minas Gerais (Orientador principal)

PhD

Flavia Patricia de Sena. Aspectos cognitivos do lupus eritomatoso sistemico em jovens. Início: 2016. Universidade Federal de Minas Gerais (Orientador principal)

See all students in Lattes