DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Gilda Aparecida Ferreira


Gilda Aparecida Ferreira

Universidade Federal de Minas Gerais
Aparelho Locomotor

Collaborating Researcher





Information extracted from Lattes platform


Last update: 2021/02/09


Degrees

Ph.D. Medicina (Reumatologia) na Universidade Federal de São Paulo em 2006
M.Sc. Infectologia e Medicina Tropical na Universidade Federal de Minas Gerais em 1999
B.Sc. Medicina na Universidade Federal de Minas Gerais em 1990


Current projects

2019 a AtualIdentificação de fatores prognósticos biológicos, comportamentais, psicológicos e sociais associados à qualidade de vida, a sequelas da doença e/ou seu tratamento e à mortalidade em pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico atendidos no Serviço de Reumato
Introdução: O prognóstico dos pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES) melhorou nos últimos anos, com aumento da sobrevida, devido a fatores como: diagnóstico precoce, melhores opções de tratamento e controle das condições mórbidas associadas. No entanto, indivíduos continuam morrendo precocemente ou vivendo com limitações devido às sequelas da doença ou à piora da qualidade de vida. Alguns fatores sabidamente estão associados ao pior prognóstico, como sexo masculino, raça/cor preta e baixas condições socioeconômicas. Outros fatores de risco identificados em coortes de pacientes com doenças crônicas não-transmissíveis ainda não foram investigados no LES. Objetivo: Identificar fatores prognósticos biológicos, comportamentais, psicológicos e sociais, determinantes da piora da qualidade de vida, das sequelas associadas à doença e/ou ao seu tratamento e da mortalidade em pacientes atendidos nos Ambulatórios de Lúpus Eritematoso Sistêmico, do Serviço de Reumatologia do HC/UFMG. Pacientes e Métodos: Trata-se de uma coorte prospectiva de pacientes atendidos nos ambulatórios de LES do Serviço de Reumatologia do HC-UFMG. Serão incluídos, por conveniência, os pacientes com idade maior ou igual a 18 anos, com diagnóstico de LES segundo ACR/1997 ou SLICC/2012. Na inclusão os pacientes serão submetidos a entrevistas, utilizando-se questionários validados, e exame clínico. Os prontuários serão revisados de acordo com protocolo padronizado. Investigação de possíveis fatores prognósticos serão analisados por comparação de proporções ou médias/medianas, com necessários ajustes, utilizando-se de técnicas estatísticas adequadas a cada desfecho.
Integrantes: Rosa Weiss Telles (coordenador), Gilda Aparecida Ferreira, Cristina Costa Duarte Lanna, Débora Cerqueira Calderaro, Fabiana de Miranda Moura dos Santos.
2016 a AtualLevantamento epidemiológico de vasculites sistêmicas em centros especializados no Brasil
Será realizado estudo transversal para avaliar dados demográficos e a prevalência de vasculites sistêmicas em pacientes seguidos em ambulatórios especializados de vasculite em serviços de reumatologia no Brasil. Os seguintes centros participarão do estudo: Universidade Federal de São Paulo ? Escola Paulista de Medicina (Unifesp-EPM), Universidade de São Paulo (USP), Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Hospital Federal dos Servidores do Estado do Rio de Janeiro (HFSE-RJ), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Hospital Santa Izabel em Salvador na Bahia. O objetivo principal é avaliar as vasculites sistêmicas primárias mais prevalentes que acometem adultos em centros especializados no Brasil.
Integrantes: Alexandre Wagner Silva de Souza (coordenador), Gilda Aparecida Ferreira, Jozélia Rego.
2014 a AtualImagens neurofuncionais e distúrbios congnitivo em pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico
Com objetivo de se determinar as alterações neurocognitivas dos pacientes com diagnóstico de lupus eritematoso sistêmico na infância, será avaliado um grupo destes pacientes acompanhados no Ambulatório de Reumatologia do Serviço de Reumatologia do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais, atualmente com 18 anos ou mais. Estes indivíduos serão submetidos a exame clínico geral, avaliação neuropsiquiátrica com utilização de entrevista estruturada (MINI PLUS), escalas específicas para ansiedade (HAMA-A) e depressão (HAM-D e BECK) e qualidade de vida (Whokol), além de bateria de testes neuropsicológicos para avaliação cognitiva e coleta de material biológico para dosagem de citocinas séricas. Os pacientes serão divididos em dois grandes grupos ? com e sem alterações neuropsiquiátricas que serão subdividos: parte será submetida a tomografia por emissão de pósitrons combinada com tomografia computadorizada PET/CT, com imagens tomográficas exclusivamente do encéfalo e parte será submetida apenas a avaliação clinica e a coleta de material dosagem das citocinas séricas.
Integrantes: Humberto Correa (coordenador), Gilda Aparecida Ferreira, Flavia Patricia Sena Teixeira Santos.
2014 a AtualAVALIAÇÃO DA ATIVIDADE INFLAMATÓRIA DE PACIENTES COM ARTERITE DE TAKAYASSU
Trata-se de um estudo de avaliação da acurácia do PET para determinação da atividade da doença em pacientes com arterite de Takayassu. Será realizado também uma análise transversal para avaliação da associação dos resultados do FDG-PET com angio-TC, critérios de atividade segundo a NIH e com os mediadores inflamatórios. Os principais objetivos são determinar o desempenho do FDG-PET na avaliação de atividade da doença em pacientes com arterite de Takayassu utilizando os critérios de atividade segundo a National Institutes of Health (NIH) como o padrão de acurácia.
Integrantes: Gilda Aparecida Ferreira (coordenador), Fabricia Fonseca Simil.
2013 a AtualAvaliação do Risco Cardiovascular na síndrome de Sjögren
Estudo que avalia risco cardiovascular na sindrome de Sjögren por meio de ecocardiografia, composição corporal, dopler de carótidas, tonometria e novos marcadores de inflamação e risco cardiovascular, incluindo calprotectina e metabolitos da via das kinurininas. É um estudo de pós doutorado da pesquisadora Valéria Valim na Universidade de Bergen que tem se desdobrado em novos projetos de pesquisa em parceria com a mesma instituição.
Integrantes: Valéria Valim (coordenador), Gilda Aparecida Ferreira, Leandro Augusto Tanure.
2013 a AtualEstudo dos fatores associados com osteonecrose em pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico
A osteonecrose, também conhecida como necrose avascular ou necrose asséptica é uma condição clínica caracterizada pela interrupção do fluxo sanguíneo do tecido ósseo, com conseqüente morte celular, acometendo a região epifisária. Essa condição já foi descrita em diversas regiões, mas o local mais frequentemente acometido é a região anterolateral da cabeça do fêmur. A etiologia da osteonecrose é multifatorial e permanece controversa. Os fatores de risco como o trauma, alcoolismo, anemia falciforme, uso de corticosteróides, transplantes, infecção pelo HIV e doenças auto-imunes estão associados com o desenvolvimento desta condição (JONES, 2012). O diagnóstico se baseia na avaliação clínica, que pode ser sugerido pela ocorrência de dor à mobilização articular e redução da amplitude de movimento da articulação acometida, e na avaliação complementar por imagem. A ressonância nuclear magnética (RNM) da articulação envolvida é o exame adequado para investigação da osteonecrose nos quadros iniciais e nos quadros tardios a radiografia simples é capaz de mostrar os achados específicos. A osteonecrose é frequentemente documentada em associação com o Lupus Eritematoso Sistêmico (LES), com múltiplos mecanismos envolvidos em sua patogênese. A prevalência de osteonecrose em pacientes com LES pode chegar a 40% e frequentemente acomete múltiplos sítios. Nos pacientes com LES, os principais fatores de risco são fenômeno de Raynaud, vasculite, distúrbio do metabolismo de lipídeos, síndrome de anticorpos antifosfolípides, uso de agentes citotóxicos e estados de hipercoagulabilidade (SAYARLIOGLU et al, 2012). Diversos autores relacionam a alta prevalência da doença nesse grupo de pacientes com as altas doses de corticosteróides (MANKIN, 1992). No entanto, a prevalência da osteonecrose nos pacientes com LES é maior do que a observada naqueles com outras doenças crônicas que necessitam de corticoterapia. Estes dados sugerem que outras características do LES, como atividade da doença, provavelmente contribuem para o desenvolvimento da osteonecrose. Hipótese: A exposição à maior atividade inflamatória persistente da doença está associada com o desenvolvimento de osteonecrose em pacientes com LES independente do tratamento com corticosteróide. Objetivos: Geral: Estudar os fatores de exposição associados com o desenvolvimento de osteonecrose sintomática nos pacientes com LES selecionados para o estudo..
Integrantes: Gilda Aparecida Ferreira (coordenador), Cristina Costa Duarte Lanna, Ubiratan Brum de Castro.
2011 a AtualEstudo da doença periodontal em pacientes com doenças reumáticas.
Estudos demonstraram que a doença periodontal é mais frequente em pacientes com artrite reumatóide e lupus eritematoso sistêmico (LES) quando comparado com a população geral. Os estudos que avaliam o impacto da doença periodontal na atividade das doenças reumáticas são controversos. Objetivo principal: avaliar a influência da doença periodontal sobre a atividade e a gravidade da artrite reumatóide e (LES).
Integrantes: Gilda Aparecida Ferreira (coordenador), Antônio Lúcio Teixeira, Débora Cerqueira Calderaro, Tarcília Silva, Santuza Mendonça.
2002 a AtualAterosclerose em pacientes com lupus eritematoso sistêmico (LES)
Pacientes com lupus apresentam aterosclerose precoce e acelerada. Este projeto tem os seguintes objetivos: - Estudar os fatores de risco tradicionais e não tradicionais para aterosclerose em pacientes com LES. - Avaliar a ação da atorvastatina na função endotelial e marcadores inflamatórios para aterosclerose nestes pacientes.
Integrantes: Gilda Aparecida Ferreira (coordenador), Rosa Weiss Telles, Cristina Costa Duarte Lanna.

Current applied research projects

See all projects in Lattes

Recent publications

Articles in journals

High levels of immunosuppression are related to unfavourable outcomes in hospitalised patients with rheumatic diseases and COVID-19: first results of ReumaCoV Brasil registry
2021. RMD OPEN.
A Brazilian Cohort of Patients With Immuno-Mediated Chronic Inflammatory Diseases Infected by SARS-CoV-2 (ReumaCoV-Brasil Registry): Protocol for a Prospective, Observational Study
2020. JMIR RESEARCH PROTOCOLS.
Clinical and microbiological effects of non-surgical periodontal treatment in individuals with rheumatoid arthritis: a controlled clinical trial
2020. Odontology.
Revisiting hydroxychloroquine and chloroquine for patients with chronic immunity-mediated inflammatory rheumatic diseases
2020. Advances in Rheumatology.
Epidemiologic Features of Systemic Vasculitides in the Southeast Region of Brazil
2020. JCR-JOURNAL OF CLINICAL RHEUMATOLOGY.
Immunological signatures in saliva of Systemic Lupus Erythematosus patients: influence of periodontal condition
2019. CLINICAL AND EXPERIMENTAL RHEUMATOLOGY.
Neuropsychiatric Syndromes in Childhood-Onset Systemic Lupus Erythematosus
2019. JCR-JOURNAL OF CLINICAL RHEUMATOLOGY.
Evaluation of potential biomarkers for the diagnosis and monitoring of Systemic Lupus Erythematosus using the Cytometric Beads Array (CBA)
2019. CLINICA CHIMICA ACTA.
Oral microbial dysbiosis linked to worsened periodontal condition in rheumatoid arthritis patients
2019. Scientific Reports.
Oral health-related quality of life among individuals with rheumatoid arthritis
2019. CLINICAL RHEUMATOLOGY.
Impact of systemic lupus erythematosus on oral health-related quality of life
2018. LUPUS.
Subgingival microbiota dysbiosis in systemic lupus erythematosus: association with periodontal status
2017. Microbiome.
Recommendations of the Brazilian Society of Rheumatology for the induction therapy of ANCA-associated vasculitis
2017. Revista Brasileira de Reumatologia (English Edition).
Is chronic periodontitis premature in systemic lupus erythematosus patients?
2017. CLINICAL RHEUMATOLOGY.
Tomography patterns of lung disease in systemic sclerosis
2016. RB. Radiologia Brasileira (Online).
Serum calprotectin is a biomarker of carotid atherosclerosis in patients with primary Sjögren's syndrome
2016. Clinical and Experimental Rheumatology.
Is there an association between systemic lupus erythematosus and periodontal disease?
2016. Revista Brasileira de Reumatologia (English Edition).
Atherosclerosis in Sjögren's syndrome: evidence, possible mechanisms and knowledge gaps
2016. Clinical and Experimental Rheumatology.
Atorvastatin reduced soluble receptors of TNF-alpha in systemic lupus erythematosus
2016. Clinical and Experimental Rheumatology.
Diagnostic Evaluation of ELISA and Chemiluminescent Assays as Alternative Screening Tests to Indirect Immunofluorescence for the Detection of Antibodies to Cellular Antigens
2016. American Journal of Clinical Pathology.
Influência do tratamento periodontal na artrite reumatoide: revisão sistemática e metanálise
2016. Revista Brasileira De Reumatologia.
Executive dysfunction, obsessive-compulsive symptoms, and attention deficit and hyperactivity disorder in Systemic Lupus Erythematosus: Evidence for basal ganglia dysfunction?
2016. Journal of the Neurological Sciences.
Atorvastatin therapy reduces interferon-regulated chemokine CXCL9 plasma levels in patients with systemic lupus erythematosus
2010. Lupus (Basingstoke).
Atorvastatin therapy improves endothelial-dependent vasodilation in patients with systemic lupus erythematosus: an 8 weeks controlled trial.
2007. Rheumatology (Oxford. Print).

Papers in conferences


Extended abstracts in conferences


Abstracts in conferences

ATIVIDADE DA DOENÇA: FATOR DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE OSTEONECROSE EM PACIENTES COM LUPUS ERITEMATOSO SISTEMICO?
2017. XXXIV Congresso Brasileiro de Reumatologia.
SÍNDROME DE IMUNODEFICIÊNCIA CONGÊNITA VPS 45: SIMULADOR DE LUPUS SISTÊMICO
2017. XXXIV Congresso Brasileiro de Reumatologia.
SÍNDROME DE MUCKLE-WELLS E ANTI-IL 1: EXPERIÊNCIA DE SEGUIMENTO POR QUATRO ANOS DE CINCO PESSOAS DE UMA MESMA FAMÍLIA
2017. XXXIV Congresso Brasileiro de Reumatologia.
DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DE PACIENTES COM VASCULITES SISTÊMICAS EM CENTROS DE REFERÊNCIA NA REGIÃO SUDESTE DO BRASIL
2016. XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia.
DOENÇA PULMONAR INTERSTICIAL RELACIONADA A ESCLEROSE SISTÊMICA: CORRELAÇÃO ENTRE TCAR, PET/CT E MEDIADORES DE INFLAMAÇÃO
2016. XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia.
Projeto sala de espera: proposta de educação do pacientes com lúpus eritematoso sistêmico e seus parentes
2016. XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia.
PSEUDOTUMOR INFLAMATÓRIO COLÔNICO: DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL DE MASSA ABDOMINAL EM PACIENTE PEDIÁTRICO COM GRANULOMATOSE COM POLIANGIÍTE
2016. XXXIII Congresso Brasileiro de Reumatologia.
The relationship between depression, stress and anxiety with disease activity in systemic lupus erythematosus
2013. 10th International Congress on SLE.

See all publications in Lattes

Current students

MS

Joana Starling de Carvalho. Lupus Eritematoso Sístêmico na Atenção Hospitalar Terciária: Avaliação de Marcadores e Fatores Associados com Infecção. Início: 2017. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de MInas Gerais (Orientador principal)
Washington Silveira Pinto Lima Junior. Hipofosfatemia: Frequência e Fatores Relacionados na Admissão e Após Início da Terapia Nutricional em Pacientes das Unidades de Terapia Intensiva de um Hospital Terciário de Belo Horizonte/Minas Gerais. Início: 2016. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de MInas Gerais (Orientador principal)

PhD

Flávia Patrícia Sena Teixeira Santos. Imagens neurofuncionais e distúrbios congnitivo em pacientes com Lúpus Eritematoso Sistêmico. Início: 2017. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de MInas Gerais (Co orientador)

See all students in Lattes