DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Felipe Gomes Naveca


Felipe Gomes Naveca

Fiocruz
Biodiversidade em Saúde

Pesquisador associado





Informações resumidas do Currículo Lattes


Currículo Lattes atualizado em 28/04/2021

Nome em citações bibliográficas: NAVECA, F. G.;Naveca, Felipe Gomes;Naveca, F.G.;Naveca, F;GOMES NAVECA, FELIPE;NAVECA, FELIPE;Latin American Genomic Surveillance Arboviral Network;NAVECA, FELIPE G.


Formação acadêmica

Doutorado em Ciências (Microbiologia) na Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2006
Mestrado em Ciências (Microbiologia) na Universidade Federal do Rio de Janeiro em 2002
Graduado em Microbiologia e Imunologia na Universidade Federal do Rio de Janeiro em 1999


Projetos de pesquisa em andamento

2019 a AtualVigilância genômica de vírus negligenciados, emergentes e/ou reemergentes na Amazônia: antecipando possíveis emergências sanitárias
Nos últimos anos, diversos agravos à saúde humana emergiram/reemergiram em diferentes regiões do mundo, causando um grande número de atendimentos médicos, incluindo casos graves, ou mesmo fatais. A região da Amazônia legal é um dos locais com o maior número de isolamentos de novos vírus, em especial os arbovírus. Uma boa parte desse conhecimento se deve às atividades de pesquisa desempenhadas na região, com destaque para o Instituto Evandro Chagas-MS, sob o financiamento inicial da Fundação Rockfeller. Além de ser considerado um ?berçário de arbovírus?, por conta de suas características geoclimáticas, a região Amazônica tem passado por um processo intenso de imigração em massa, exemplificado pelos fluxos migratórios oriundos do Haiti e mais recentemente da Venezuela, tornando ainda mais complicada a já complexa realidade epidemiológica na região. Neste contexto, o presente projeto visa investigar a etiologia viral de casos de síndrome febril - exantemática e/ou respiratória, utilizando diferentes abordagens laboratoriais, incluindo métodos moleculares convencionais e análise de bibliotecas metagenômicas. Além das técnicas de detecção do material genético viral, vamos avaliar a aplicabilidade da utilização do VirScan, uma plataforma contendo peptídeos sintéticos de todo o viroma humano conhecido, a qual será utilizada para a detecção de um padrão de anticorpos específicos na fase convalescente. A coleta de amostras e informações clínico-epidemiológicas será realizada em três hospitais no estado do Amazonas, estrategicamente localizados em duas cidades fronteiriças (Tabatinga: Tríplice Fronteira: Brasil, Peru e Colômbia e Presidente Figueiredo: Na fronteira com o estado de Roraima) e na capital (Manaus), com o apoio e a participação das equipes de assistência e pesquisa de cada unidade hospitalar. Uma vez que todos os resultados dos ensaios visando a detecção da etiologia viral estejam concluídos, serão analisadas as variáveis clínicas e laboratoriais de cada caso, no intuito de colaborar com a avaliação de modelos de classificação para o apoio diagnóstico, já em desenvolvimento pelo nosso grupo.
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), João Hugo Abdalla Santos, Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, Vanderson de Souza Sampaio, Marineide Souza da Silva, CORADO, ANDRÉ DE LIMA GUERRA, Carlos Roberto Prudencio, Pedro Henrique Duarte França de Castro, Antonio José Leal Costa.
2017 a AtualAvaliação de fatores epidemiológicos, vetoriais e humanos, ligados à transmissão do vírus Zika e outros arbovírus emergentes ou reemergentes em dois estados da Amazônia Ocidental Brasileira.
A região Amazônica possui características geoclimáticas e de biodiversidade que fornecem condições favoráveis para a manutenção do ciclo natural de diversos agentes etiológicos de doenças tropicais, dentre os quais destacam-se os arbovírus. A literatura mundial mostra diversos vírus isolados em estudos nesta região, em especial no estado do Pará, na chamada Amazônia Oriental, fruto das atividades de pesquisa iniciadas com apoio da Fundação Rockfeller, e conduzidas pelo Instituto Evandro Chagas-MS. No entanto, os cenários Amazônicos apresentaram modificações importantes nas últimas décadas, sobretudo com o adensamento de grandes cidades na região, com o consequente aumento na detecção de vetores sinantrópicos, como o Aedes aegypti e o Aedes albopictus. Outro fator importante que compõe a já complexa questão epidemiológica para transmissão de arbovírus na região é o aumento dos deslocamentos populacionais internacionais, transitórios ou permanentes. Nesta região existem cenários de intensa movimentação fronteiriça, onde muitas vezes os cenários urbanos se confundem com facilidade. Esta situação pode, portanto, atuar como uma facilitadora para introdução e dispersão de arbovírus oriundos de outros países, os quais podem encontrar vetores competentes para manter a cadeia de transmissão. Nos últimos anos tem ocorrido um fenômeno global de aumento do número dos casos de arboviroses. Vírus como o Chikungunya e o Zika, que antes circulavam em ambiente limitado na África e Ásia, hoje atingem populações em diversos países. Pelo exposto, é natural supor que arbovírus endêmicos da região amazônica possam emergir inicialmente como patógenos de maior importância na região, consequentemente, possam atingir outras regiões do país e do mundo. A prevenção das arboviroses é baseada fortemente nas ações de combate aos vetores, uma vez que não existem vacinas para a grande maioria destes agravos. Assim, considerando a importância do controle vetorial e a necessidade de estudos que visem esclarecer mecanismos ligados a transmissão do vírus Zika ? um importante arbovírus emergente que foi negligenciado mundialmente, e de outros arbovírus emergentes ou reemergentes; bem como avaliar fatores virais que resultem na subnotificação de infecções por arbovírus, propomos neste projeto avaliar fatores epidemiológicos, vetoriais e do hospedeiro humano, ligados a transmissão do vírus Zika e outros arbovírus em dois estados da Amazônia Ocidental, Amazonas e Roraima, contribuindo com novas informações que possam direcionar as estratégias de prevenção e controle destas arboviroses. Ainda dentro desta proposta, serão realizados experimentos para a detecção de dois arbovírus emergentes; ensaios para a detecção de possíveis vírus novos; a avaliação de uma alternativa para o transporte e condicionamento de amostras para pesquisa de arbovírus em locais remotos, além do desenvolvimento de novos protocolos para o diagnóstico laboratorial dos arbovírus. Esperamos ao final deste projeto ter contribuído com o SUS através de maiores conhecimentos voltados à vigilância epidemiológica das arboviroses, bem como com a capacitação de pessoal em diversos níveis de formação.
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), Wanderli Pedro Tadei, Fernando Abad-Franch, Tatiana Amaral Pires de Almeida, Ligia Fernandes Abdalla, João Hugo Abdalla Santos, Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, Pablo Oscar Amézaga Acosta, Fabiana Granja, Thalita Caroline da Silva Siqueira, Matilde del Carmen Contreras Mejía, Cátia Alexandra Ribeiro Meneses, Gonzalo José Bello Bentancor, Rosemary Costa Pinto, Dana Cristina da Silva Monteiro, Daniela Sueli Guerreiro Rodrigues, Pedro Fernando da Costa Vasconcelos, Rosemary Aparecida Roque, Vanderson de Souza Sampaio, Jose Ueleres Braga, Fernanda Rodrigues Fonseca, Antônio Alcirley da Silva Balieiro, Carlos Henrique Soares Carvalho, Analice Barbosa Pereira Carvalho, Marineide Souza da Silva, Claudia María Ríos Velásquez, Felipe Arley Costa Pessoa, Lívia Caricio Martins, Jannifer Oliveira Chiang, Bernardo Lessa Horta, Daniele Freitas Henriques, Ademir de Jesus Martins Júnior, José Bento Pereira Lima, Luciana dos Santos Dias, Bernardino Claudio de Albuquerque, Cristiano Fernandes da Costa, Ricardo Augusto dos Passos, Érica Cristina da Silva Chagas, Glacicleide Lima da Silva, Joao Paulo Freire Mendonça, Maria Alcinete da Costa Barbosa, Suzete Brasil do Nascimento, Enayra Christina Clemente Ferreira, Kemeson Alves Naveca, Mayara Bianca Pereira Rodrigues, Miguel Ferreira Dias, André de Lima Guerra Corado, Daniela Palha de Souza Campos, Daniel Testa Mota, Luciana Pires de Freitas, Luciana Cristina Grisoto, Ana Paula Carvalhal Barbosa, Cecilia Maria de Castro Bessa, Nathália Coelho Vargas, Rômulo Freire de Morais, Cynthia Dantas de Macedo Lins, Charlote Aguiar Buffi Briglia, Adelma Alves de Figueiredo, Ana Paula Viana de Oliveira Guth, Roberta Nogueira Calandrini de Azevedo, Emerson Ricardo de Sousa Capistrano, Rejane de Castro Simões, Erika de Oliveira Gomes, Carlos Alberto Praia Lima.
2014 a AtualEpidemiologia molecular da Dengue no Estado do Amazonas: Filogeografia e fatores associados à falha na detecção sorológica do antígeno NS1
As infecções causadas pelo vírus dengue (DENV) são um sério problema de saúde pública, principalmente em países situados em áreas tropicais e subtropicais como o Brasil. O DENV é classificado em quatro sorotipos que são subdivididos em genótipos; tem genoma composto por RNA positivo o qual codifica uma poliproteína que é clivada em proteínas estruturais e não estruturais. A proteína não estrutural 1, NS1, é secretada em grande quantidade durante a infecção, podendo ser detectada para o diagnóstico. Todavia alguns pesquisadores vêm relatando variação na sensibilidade desses ensaios, principalmente na infecção secundária. O fato do dengue ser um vírus de genoma RNA contribui para uma grande variabilidade genética que pode resultar em mudanças na sequência que codifica para a protéina NS1, as quais podem afetar o reconhecimento deste antígeno por parte dos anticorpos usados nos testes comerciais. O estado do Amazonas tem uma situação atual de hiperendemicidade, com um processo de interiorização da doença agravado pela circulação dos quatro sorotipos virais. O desenvolvimento da genômica e de diversas ferramentas de análise filogenética podem contribuir para as ações de vigilância do agravo, assim como podem trazer novas informações quanto a variabilidade do genoma viral e sua consequência para o diagnóstico. Diante do exposto, o presente projeto se propõem a caracterizar geneticamente amostras do vírus dengue, enfatizando aspectos filogenéticos relacionados à dispersão da doença no estado do Amazonas, e ainda pesquisar fatores que possam estar associados à falha no diagnóstico laboratorial baseado na detecção do antígeno NS1, como as infecções secundárias e a variabilidade genética viral. Com a realização deste projeto espera-se contribuir com um melhor entendimento da epidemiologia molecular da dengue no norte do país, especialmente no estado do Amazonas, beneficiando as ações de vigilância e controle do agravo.
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), Tatiana Amaral Pires de Almeida, Sérgio Luiz Bessa Luz, Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, Raphaela Honorato Barletta-Naveca, Gonzalo José Bello Bentancor, MARIA AUXILIADORA MONTEIRO NOVAIS, Rosemary Costa Pinto, Wagner Cosme Morhy Terrazas, Brenda Karoline Souza Carvalho, Dana Cristina da Silva Monteiro.
2014 a AtualEstudo Metagenômico para Identificação e Caracterização de Vírus em Casos de Síndrome Febril Aguda Indiferenciada e Meningite de Provável Etiologia Viral provenientes do Amazonas
Os vírus são reconhecidos como importantes patógenos humanos desde a comprovação de um ?agente filtrável? como causador da Febre Amarela em 1900. Nestes pouco mais de 110 anos passados, um universo de 219 espécies virais foram identificadas infectando humanos. A conhecida capacidade dos vírus em infectar hospedeiros de diferentes espécies, aliada ao crescimento populacional desordenado; ao contato próximo com ambientes florestais e a globalização, criam uma série de condições que favorecem a emergência de novos agentes virais como potenciais patógenos humanos. Em função dessa relevância para o sistema de saúde, as viroses são temas recorrentes entre as prioridades de pesquisa em saúde no Brasil. Nos últimos anos o desenvolvimento tecnológico tem permitido uma avanço significativo com relação a descoberta de novos vírus, principalmente após o surgimento das chamadas técnicas de sequenciamento nucleotídico de nova geração. Tais metodologias permitiram a identificação de vírus em diferentes quadros clínicos, desde simples até extremante graves, como no caso de febres hemorrágicas. Neste contexto, a presente proposta visa empregar metodologias de metagenômica de nova geração e bioinformática para o estudo da diversidade viral em amostras biológicas provenientes de pacientes com dois quadros clínicos distintos e comuns à região amazônica: a Síndrome Febril Aguda Indiferenciada e a Meningite Infecciosa de Provável Etiologia Viral. Um total de 600 amostras obtidas em estudos anteriores e sem diagnóstico laboratorial confirmado serão avaliadas no presente estudo. Para tanto as amostras serão submetidas à extração de ácidos nucléicos, otimizada para descoberta de agentes virais, seguida de amplificação do material genético por abordagem randômica e sequenciamento nucleotídico semicondutor na plataforma de genômica da Fiocruz Amazonas. Posteriormente diferentes ferramentas de bioinformática, desenvolvidas especialmente para identificação de espécies e estudos metagenômicos virais, serão aplicadas ao conjunto de dados obtidos para cada amostra. Esperamos com a conclusão do presente projeto contribuir para o desenvolvimento cientifico e tecnológico no estado do Amazonas, através da capacitação de alunos em diferentes níveis de formação e da publicação de artigos científicos. Além disso, esperamos contribuir também para melhoria do sistema de vigilância em saúde do estado com a obtenção de dados robustos sobre a circulação de diferentes agentes virais em uma parcela da população que buscou os serviços de saúde públicos com provável quadro de infecção viral.
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), Regina Maria Pinto de Figueiredo, Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, André de Lima Corado, Bastos, Michele de Souza, Dana Cristina da Silva Monteiro, Tainá Raiol Alencar, Pritesh Jaychand Lalwani.
2012 a AtualMicroevolução in vitro do vírus dengue sorotipo-4 e estudo de variações genéticas associadas ao aumento da competência viral
As infecções pelo vírus dengue (DENV) são um séria causa de morbidade e mortalidade na maioria dos países situados em áreas tropicais e sub-tropicais, principalmente no sudeste e sul da Ásia, América do Sul, América Central e Caribe. Um número em torno de 2,5 bilhões de pessoas encontra-se em áreas de risco para a infecção pelo vírus. O Vírus dengue é membro do gênero Flavivirus da família Flaviviridae e como tal é um vírus envelopado cujo genoma é composto por uma fita única de RNA polaridade positiva com aproximadamente 10.700 nucleotídeos. Os vírus dengue são classificados em quatro sorotipos, DENV-1 a DENV-4, os quais são transmitidos aos hospedeiros humanos através da picada das fêmeas infectadas dos mosquitos Aedes aegypti (principal vetor) e Aedes albopictus. A infecção pelo vírus dengue pode ser assintomática ou causar duas formas clínicas, a febre do dengue ou dengue clássica (DF) e uma forma mais grave denominada de febre hemorrágica pela dengue ou simplesmente dengue hemorrágica (DHF). A patogênese da dengue hemorrágica tem sido explicada por duas teorias. Uma teoria é baseada na virulência do vírus infectante, enquanto a outra é baseada na patogenia mediada pela resposta imune. Essas duas teorias já foram consideradas conflitantes, entretanto atualmente acredita-se que ambas representam diferentes aspectos da patogenia da dengue hemorrágica, no entanto o total entendimento dos mecanismos envolvidos na patogênese da dengue permanece um desafio. Com o objetivo de contribuir para melhor entendimento do processo de adaptação viral nos propomos nesse projeto a estudar a microevolução do virus dengue, sorotipo 4 genótipo II, durante o processo de adaptação de uma amostra à cultura de células. Para tanto será obtido o genoma completo da amostra antes da inoculação em cultura de células e após cada passagem. Será também realizada a quantificação do número de copias de RNA viral em cada passagem, bem como a quantificação do número de células infectadas por cito
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), Michele de Souza Bastos, Regina Maria Pinto de Figueiredo, Sérgio Luiz Bessa Luz, Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, George Alan Villarouco da Siva.
2011 a AtualDesenvolvimento de novas estratégias para detecção Molecular de arbovírus emergentes na Amazônia Ocidental
Os arbovírus são vírus transmitidos por vetores artrópodes mantidos na natureza através de ciclos zoonóticos. Muitos desses agentes virais apresentam importância médica para o homem por causarem desde quadros de artralgia e exantema, até quadros de encefalite, hemorragia ou mesmo a morte. O Brasil em função das imensas áreas de floresta tropical apresenta ecossistemas propícios para o surgimento e manutenção de arboviroses o que permitiu o isolamento de mais de 200 espécies de arbovírus no país, dentre estes o vírus dengue, agente etiológico da mais importante arbovirose humana. Todavia com a alta endemicidade de outras arboviroses no país, principalmente na região Amazônica, o diagnóstico baseado somente em dados clínicos é muito difícil. Devido a este fato a utilização e o desenvolvimento de novas estratégias que possibilitem o diagnóstico diferencial da dengue tem sido encorajadas mundialmente. No presente projeto temos o objetivo de desenvolver e validar duas estratégias para a detecção do RNA genômico de dois importantes arbovírus na região Amazônica, os virus Mayaro e Oropouche, utilizando a técnica de amplificação por reação em cadeia da polimerase em tempo real, conjugada a transcrição reversa (qRT-PCR). O desenvolvimento e validação de tais estratégias será uma importante avanço para o diagnóstico dessas arboviroses devido a alta sensibilidade e especificidade da técnica utilizada. Além do descrito anteriormente, a conclusão do projeto fornecerá uma ferramenta alternativa para as pesquisas que busquem à detecção desses agentes virais diretamente nos vetores, tal como vem sendo realizado em outros estudos do nosso grupo de pesquisa.
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), Regina Maria Pinto de Figueiredo, Maria Paula Gomes Mourão, Fernando Abad-Franch, Tatiana Amaral Pires de Almeida, Sérgio Luiz Bessa Luz, Valdinete Alves do Nascimento, Raphaela Honorato Barletta-Naveca, Pablo Oscar Amézaga Acosta, Fabiana Granja, Brenda Karoline Souza Carvalho, Dana Cristina da Silva Monteiro.

Projetos de desenvolvimento em andamento

2018 a AtualAprimoramento e avaliação de um equipamento portátil e de baixo custo para o diagnóstico molecular de agravos infecciosos em ambiente laboratorial e de campo.
O sistema público de saúde do Brasil é um dos maiores e mais complexos do mundo. Para lidar com este desafio, diferentes estratégias são utilizadas visando a promoção, proteção e recuperação da saúde da população. Dentro deste contexto, o avanço tecnológico e a adoção de novas metodologias contribuem para a melhoria de saúde da população. Uma das áreas onde o avanço tecnológico se faz mais evidente é a do diagnóstico laboratorial, o qual vem sendo revolucionado nas últimas décadas, especialmente como avanço das técnicas de Biologia Molecular. Não obstante a sua importância, a adoção de tais tecnologias é acompanhada de elevados investimentos em equipamentos e insumos diagnósticos, em sua grande maioria, desenvolvidos no exterior. Como objetivo de contribuir para o fortalecimento das ações de vigilância epidemiológica de agentes infecciosos de importância médica na Amazônia e como Complexo Industrial de Inovação em Saúde nacional, o nosso grupo de pesquisa vem atuando no desenvolvimento de protocolos e equipamentos voltados ao diagnóstico molecular. Como prova dessa atuação, realizamos recentemente o depósito de dois pedidos de patente no INPI, o primeiro para um ensaio de detecção molecular dos arbovírus Mayaro e Oropouche, e o segundo de um equipamento destinado à realização de ensaios de diagnóstico molecular isotérmicos. O objetivo principal da presente proposta é aprimorar e avaliar um novo equipamento que utilizará um chip microfluídico descartável e de baixo custo, acoplado ao equipamento de controle e interface com usuário, não só para a utilização no laboratório, mas também para uso em campo. Pretendemos que esta possa ser uma nova ferramenta para o diagnóstico diferencial de casos febris e/ou exantemáticos como as infecções causadas pelos arbovírus e os parasitos da Malária, onde os casos estiverem ocorrendo, facilitando o acesso de populações de áreas remotas, como aquelas encontradas em diferentes regiões da Amazônia, as vantagens do diagnóstico molecular.
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, Dana Cristina da Silva Monteiro, Carlos Raimundo Pereira dos Santos Júnior, Valtemar Fernandes Cardoso.
2013 a AtualDesenvolvimento e avaliação de metodologias simplificadas, com potencial utilização pela rede básica de saúde, para o diagnóstico molecular de agravos importantes na região Amazônica
O sistema de saúde brasileiro presta assistência a população por meio de diferentes estratégias. Com relação a promoção da saúde, um dos pontos de maior destaque é a prevenção, onde incluem-se o diagnóstico e tratamento precoce de doenças. As técnicas clássicas de microscopia e cultura, apesar de serem utilizadas amplamente, possuem alguns limitantes relacionados a sensibilidade e a necessidade de profissionais capacitados, bem como de infraestrutura adequada. Tais aspectos podem ser problemáticos para a obtenção de sucesso no sistema de gestão dos serviços de laboratório, sendo, portanto, um considerável desafio ao SUS. A incorporação de novas tecnologias, que permitam economia de escala e maior resolutividade na cadeia produtiva do sistema, está em consonância aos objetivos estratégicos do SUS. Em função do descrito anteriormente a presente proposta visa desenvolver e avaliar a aplicabilidade de metodologias diagnósticas, baseadas na técnica de LAMP, para cinco importantes agravos à saúde da população do Estado do Amazonas: tuberculose, hanseníase, malária, clamídia e dengue. Como proposta de inovação, o presente projeto também objetiva o desenvolvimento de um protótipo de equipamento eletrônico para a realização dos ensaios de LAMP em ambientes com reduzida infraestrutura laboratorial. O cumprimento dos objetivos propostos neste projeto permitirão ainda contribuir para o fortalecimento de uma cadeia produtiva no desenvolvimento de equipamentos e insumos nacionais voltados ao diagnóstico de doenças transmissíveis, reduzindo as disparidades regionais relativas ao avanço científico e tecnológico. Espera-se ainda que os produtos obtidos com a realização da presente proposta tenham real viabilidade de incorporação pelo Sistema Único de Saúde
Integrantes: Felipe Gomes Naveca (coordenador), André Luiz Leturiondo, Daniel Lúcio Rodrigues Dutra, Valdinete Alves do Nascimento, Victor Costa de Souza, Raphaela Honorato Barletta-Naveca, Brenda Karoline Souza Carvalho, Dana Cristina da Silva Monteiro, Cynthia de Oliveira Ferreira, Mauricio Morishi Ogusku.
Veja todos os projetos no Currículo Lattes

Últimas publicações

Artigos em periódicos

Mayaro virus detection in the western region of Pará state, Brazil
2021. SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL. REVISTA.
A Potential SARS-CoV-2 Variant of Interest (VOI) Harboring Mutation E484K in the Spike Protein Was Identified within Lineage B.1.1.33 Circulating in Brazil
2021. Viruses-Basel.
HTLV-2 infection in Manaus, Brazil: first description of HTLV-2c subtype in an urban area of the Western Amazon region
2021. SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL. REVISTA.
SARS-CoV-2 genomic surveillance in Rondônia, Brazilian Western Amazon
2021. Scientific Reports.
Distribution and diversity of mosquitoes and Oropouche-like virus infection rates in an Amazonian rural settlement
2021. PLoS One.
Antibody evasion by the P.1 strain of SARS-CoV-2
2021. CELL.
Confirmed Invasive Pulmonary Aspergillosis and COVID-19: the value of postmortem findings to support antemortem management
2020. SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL. REVISTA.
Genomic and Epidemiological Surveillance of Zika Virus in the Amazon Region
2020. Cell Reports.
Oropouche virus detection in saliva and urine
2020. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
Persistent chikungunya arthritis in Roraima, Brazil
2020. CLINICAL RHEUMATOLOGY.
Effect of High vs Low Doses of Chloroquine Diphosphate as Adjunctive Therapy for Patients Hospitalized With Severe Acute Respiratory Syndrome Coronavirus 2 (SARS-CoV-2) Infection
2020. JAMA Network Open.
Methylprednisolone as Adjunctive Therapy for Patients Hospitalized With COVID-19 (Metcovid): A Randomised, Double-Blind, Phase IIb, Placebo-Controlled Trial
2020. CLINICAL INFECTIOUS DISEASES.
Multifunctional T cell response in convalescent patients two years after ZIKV infection
2020. JOURNAL OF LEUKOCYTE BIOLOGY.
Case Report: Adrenal Pathology Findings in Severe COVID-19: An Autopsy Study
2020. AMERICAN JOURNAL OF TROPICAL MEDICINE AND HYGIENE.
Genomic and phylogenetic characterisation of an imported case of SARS-CoV-2 in Amazonas State, Brazil
2020. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
Insect-specific viruses and arboviruses in adult male culicids from Midwestern Brazil
2020. INFECTION GENETICS AND EVOLUTION.
Molecular characterisation of the emerging measles virus from Roraima state, Brazil, 2018
2019. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
Genomic, epidemiological and digital surveillance of Chikungunya virus in the Brazilian Amazon
2019. PLoS Neglected Tropical Diseases.
Human parvovirus B19 genotype 1 in suspected dengue patients of Tefé, Amazonas State, Brazil
2019. SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA TROPICAL. REVISTA.
A Single Haplotype of IFNG Correlating With Low Circulating Levels of Interferon-γ Is Associated With Susceptibility to Cutaneous Leishmaniasis Caused by Leishmania guyanensis
2019. CLINICAL INFECTIOUS DISEASES.
ARBOVIRUS INVESTIGATION IN PATIENTS FROM MATO GROSSO DURING ZIKA AND CHIKUNGUNYA VIRUS INTRODUTION IN BRAZIL, 2015-2016
2018. ACTA TROPICA.
Toll-Like Receptor-1 Single-Nucleotide Polymorphism 1805T/G Is Associated With Predisposition to Multibacillary Tuberculosis
2018. Frontiers in Immunology.
Evidence of vertical transmission of Zika virus in field-collected eggs of Aedes aegypti in the Brazilian Amazon
2018. PLoS Neglected Tropical Diseases.
Phylogenetic analysis and genotype distribution of Hepatitis B Virus (HBV) in Roraima, Brazil
2018. REVISTA DO INSTITUTO DE MEDICINA TROPICAL DE SÃO PAULO.
Human Orthobunyavirus Infections, Tefé, Amazonas, Brazil
2018. PLOS CURRENTS: TREE OF LIFE.
Analysis of the immunological biomarker profile during acute Zika virus infection reveals the overexpression of CXCL10, a chemokine linked to neuronal damage
2018. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
Atrial fibrillation in a patient with Zika virus infection
2018. Virology Journal.
First evidence of Zika virus venereal transmission in Aedes aegypti mosquitoes
2017. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
HIV-1 genetic diversity and antiretroviral drug resistance among individuals from Roraima state, northern Brazil
2017. Plos One.
Multiplexed reverse transcription real-time polymerase chain reaction for simultaneous detection of Mayaro, Oropouche, and Oropouche-like viruses
2017. MEMORIAS DO INSTITUTO OSWALDO CRUZ.
Diversity of group A rotavirus genes detected in the Triângulo Mineiro region, Minas Gerais, Brazil
2016. Brazilian Journal of Microbiology (Impresso).
High Prevalence and Onward Transmission of Non-Pandemic HIV-1 Subtype B Clades in Northern and Northeastern Brazilian Regions
2016. Plos One.
Haplotype of the promoter region of TNF gene may mark resistance to tuberculosis in the Amazonas State, Brazil
2016. Journal of Clinical & Cellular Immunology.
Complete genome of a dengue virus serotype 4 strain from Amazonas, Brazil
2016. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz.
Analysis of bovine rotavirus strains circulating in diarrheic dairy calves in Uberaba, Minas Gerais, Brazil, during 2008-2009
2016. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia (Online).
Frequency of CCR5 genotypes in HIV-infected patients in Roraima, Brazil
2016. The Brazilian Journal of Infectious Diseases (Impresso).
Etiology of Genital Ulcer Disease in a Sexually Transmitted Infection Reference Center in Manaus, Brazilian Amazon
2013. Plos One.
Dengue Virus Type 4, Manaus, Brazil
2008. Emerging Infectious Diseases.

Trabalhos completos em congressos


Resumos expandidos em congressos


Resumos em congressos

Etiology of Genital Ulcer Disease in a STI Reference Center in Amazonas, Brazil
2009. 18th ISSTDR.
Co-Infection of Dengue Virus Serotype 3 and 4 in Patients of Brazilian Amazon
2009. XX Encontro Nacional de Virologia.
Herpes Zoster em Paciente com Lúpus Eritematoso Sistêmico
2008. 4 Congresso Internacional de Clínica Médica.
Complete Nucleotide Sequence of Avian Reovirus S3 Genomic Segment and Molecular Modeling of its Encoded Protein Sigma B
2007. XVIII Encontro Nacional de Virologia.
Identification of Dengue Virus Strains circulating in Manaus, Amazonas, Brazil
2007. XVIII Encontro Nacional de Virologia.

Veja todas as publicações no Currículo Lattes

Orientações em andamento

Mestrado

Fernanda Oliveira do Nascimento. Vigilância genômica de vírus respiratórios circulantes nos anos de 2019 e 2020 em Manaus, Amazonas. Início: 2019. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)
Ágatha Kelly Araújo da Costa. CARACTERIZAÇÃO GENÉTICA DO PARVOVÍRUS B19 EM PACIENTES COM SÍNDROME FEBRIL INDIFERENCIADA NOS ESTADOS DO AMAZONAS E DE RORAIMA.. Início: 2019. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)

Doutorado

Valdinete Alves do Nascimento. Avaliação do processo de evolução molecular do vírus Zika e seu impacto sobre a competência viral em modelos in vitro e in vivo. Início: 2016. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)
Victor Costa de Souza. Estudo do viroma de pacientes com síndrome febril de etiologia indefinida por abordagens diagnósticas convencionais. Início: 2016. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)
André de Lima Guerra Corado. Avaliação de genes da resposta imune e autoanticorpos em pacientes assintomáticos e sintomáticos infectados pelo vírus Zika em uma população da Amazônia Ocidental Brasileira. Início: 2016. Fundação Oswaldo Cruz (Orientador principal)

Veja todas as orientações no Currículo Lattes