DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Antônio Lacerda Filho


Antônio Lacerda Filho

Universidade Federal de Minas Gerais
Cirurgia

Pesquisador colaborador





Informações resumidas do Currículo Lattes


Currículo Lattes atualizado em 20/04/2021

Nome em citações bibliográficas: LACERDA-FILHO, A.;Lacerda-Filho, Antônio;Lacerda-Filho, Lacerda Filho, Antônio;LACERDA FILHO, ANTÔNIO;LACERDA FILHO, ANTONIO;LACERDA-FILHO, ANT??NIO;LACERDA-FILHO, ANTONIO


Formação acadêmica

Doutorado em Medicina (Gastroenterologia) na Universidade Federal de Minas Gerais em 2004
Mestrado em Cirurgia na Universidade Federal de Minas Gerais em 1994
Graduado em MEDICINA na Universidade Federal de Minas Gerais em 1986


Projetos de pesquisa em andamento

2021 a AtualEfeito analgésico do bloqueio transverso abdominal bilateral (TAP block) guiado por laparoscopia em pacientes submetidos a cirurgia colorretal: estudo clínico duplo cego, randomizado
Os avanços na área médica, e sobretudo na cirurgia, direcionam-se, não apenas na busca por tratamentos mais eficazes, seguros e acessíveis, mas que tragam também, impacto significativo na qualidade de vida dos pacientes. Na cirurgia colorretal especificamente, a busca por alternativas que promovam intervenções mais seguras e com recuperação mais rápida e efetiva têm atraído grande atenção, principalmente por meio da implementação de protocolos baseados no conceito de recuperação pós-operatória acelerada¹. Nesse contexto, o manejo da dor pós-operatória possui papel crucial, conforme demonstrado por diversos estudos publicados sobre as melhores estratégias para se reduzir a dor e acelerar a recuperação pós-operatória¹. Recomendado pela Enhanced Recovery After Surgery (ERAS®) Society, uma das opções no manejo da dor é o uso de bloqueio anestésico local do plano da musculatura transversa abdominal (TAP block)¹. No Brasil, tal bloqueio ainda é pouco indicado, sendo, geralmente, realizado pelo anestesiologista, guiado por ultrassonografia, no início ou fim do procedimento cirúrgico. Uma opção mais simples seria a realização do TAP block pelo cirurgião guiado por laparoscopia, com resultados semelhantes ao bloqueio guiado por ultrassom²,³. Apesar de vários estudos terem analisado os efeitos do TAP block comparados com diversas outras intervenções, não foram encontrados estudos nacionais sobre o tema em pacientes submetidos a cirurgia colorretal laparoscópica. Além disso, boa parte dos estudos avalia o uso de TAP block guiado por ultrassonografia, o que exige profissional treinado na técnica e equipamento de ultrassom disponível. O TAP block guiado por laparoscopia, ao contrário, é considerado mais fácil e rápido de ser realizado, além de ter menor custo³. Considerando que a intervenção proposta apresenta (1) baixo custo, (2) elevado potencial de implementação na prática cirúrgica, (3) rápida curva de aprendizado e (4) baixo risco de complicações², a justificativa para a realização deste estudo vem do potencial efeito benéfico do TAP block sobre a dor e a recuperação pós-operatória de pacientes submetidos a cirurgia colorretal laparoscópica.
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), LOPES DE QUEIROZ, FÁBIO, Alan Cézar Faria Araújo.
2020 a AtualI6T-MC-AMAM
Estudo Fase 3, Multicêntrico, Randomizado, Duplo-cego, Controlado por Placebo e comparador Ativo, para Avaliar a Eficácia e a Segurança do Mirikizumabe em Pacientes com Doença de Crohn Ativa Moderada a Severa
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Carolina de Paula Guimarães Baía.
2019 a AtualAvaliação do impacto na qualidade de vida dos pacientes com mielomeningocele utilizando a irrigação transanal terapêutica
Avaliar o impacto da irrigação transanal na qualidade de vidas de pacientes portadores de mielomeningocele com incontin6ncia fecal
Integrantes: Beatriz Deotti Silva (coordenador), Antonio Lacerda Filho, Rodrigo Gomes da silva, Kelly C.L.R. Buzatti, MARCELA MONTEIRO PINHEIRO.
2018 a AtualESTUDO BERGAMONT JUNIPER - Protocolo GA29144
Estudo de Fase III, Randomizado, Duplo-Cego, Controlado por Placebo e Multicêntrico para Avaliar a Eficácia e a Segurança do Etrolizumabe como Tratamento de Indução e Manutenção para Pacientes com Doença de Crohn Moderada a Gravemente
Integrantes: Carolina de Paula Guimarães Baía (coordenador), Antonio Lacerda Filho.
2018 a AtualAvaliação de Fibrina Rica em Plaquetas na cicatrização de anastomoses colônicas em ratos
A anastomose intestinal é um dos procedimentos cirúrgicos mais comuns no campo da cirurgia geral e gastrointestinal. Pode ser realizado manualmente ou usando dispositivos. Materiais de sutura de alta tecnologia e métodos cirúrgicos refinados diminuíram as complicações da ferida anastomótica; no entanto, eles não foram erradicados [1]. As complicações anastomóticas ainda são muito comuns, particularmente em idosos, comorbidades ou em situações de emergência [2]. A cicatrização da anastomose intestinal não depende apenas da técnica cirúrgica ou dos materiais de sutura utilizados, mas também depende do estado geral do paciente, doenças subjacentes e estado nutricional. Portanto, apesar dos avanços na cirurgia gastrointestinal moderna, sempre haverá a possibilidade de problemas de complicações anastomóticas para os cirurgiões. Complicações da anastomose local são definidas como deiscências, vazamentos e fístulas quando a cicatrização falha, ou como formação de estenoses e estenose da luz quando a cicatrização é excessiva. O vazamento e deiscência da anastomose estão entre as complicações mais comuns e são as principais causas de morbidade e mortalidade após a cirurgia do trato gastrointestinal. O risco de vazamento anastomótico intestinal continua a variar entre 1% e 30% [3]. O tratamento ideal para o manejo de vazamento de anastomose ainda não foi estabelecido. Tradicionalmente, a reoperação e ressecção da anastomose com a exteriorização do membro proximal como colostomia final é o tratamento de escolha para uma anastomose colorretal com vazamento [4]. A injeção de cola de fibrina, a colocação de clipes endoscópicos, o implante de stent endoscópico, a terapia com endo-esponja ou a drenagem percutânea da coleção são outras opções de tratamento não cirúrgico [5]. Independentemente do método utilizado para os pacientes, os resultados não são satisfatórios. As plaquetas desempenham um papel crucial, não apenas na hemostasia, mas também no processo de cicatrização da ferida [6]. Eles contêm vários fatores de crescimento, citocinas inflamatórias e cicatriciais, que são fontes bem conhecidas de cura [7-10]. Isso levou à hipótese de que o uso de concentrados de plaquetas poderia acelerar a cicatrização das feridas. Variedade de preparações ricas em plaquetas foram avaliadas para acelerar a cicatrização tecidual com resultados encorajadores. A Fibrina Rica em Plaquetas (PRF) foi desenvolvida por Choukroun e associados, como uma nova geração de concentrado de plaquetas [11]. A PRF é uma matriz de fibrina na qual as plaquetas são retidas e podem servir como uma membrana reabsorvível. O PRF tem sido utilizado com sucesso na cirurgia oral e maxilofacial para melhorar a cicatrização óssea por muitos anos [12, 13]. O PRF também é efetivo para feridas de mão e autoenxertos de pele [14, 15]. Neste estudo, é hipotetizado que o envolvimento da anastomose colônica com uma membrana de PRF poderia desempenhar um papel no processo de cicatrização da mesma. A matriz de fibrina pode estabilizar inicialmente a anastomose externamente, seguida da estimulação da angiogênese, potencializando a imunidade e orientando a cobertura dos tecidos lesados, estimulando o metabolismo das células epiteliais e fibroblastos. Como resultado desses efeitos, a PRF pode promover a cicatrização da ferida da anastomose intestinal. O objetivo do estudo é avaliar o papel da PRF na cicatrização de feridas anastomóticas intestinais. Para este propósito, um modelo bem estabelecido comparando a cicatrização em animais nutridos e hiponutridos será utilizado, pois sabe-se que o fator desnutrição prejudica a cicatrização da anastomose intestinal em ratos.
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Fábio Henrique de Oliveira.
2016 a AtualAVALIAÇÃO DO IMPACTO DA DISFUNÇÃO GÊNITO-URINÁRIA E DA SÍNDROME DA RESSECÇÃO ANTERIOR NA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES EM PÓS-OPERATÓRIO TARDIO DE RETOSSIGMOIDECTOMIA BAIXA POR CÂNCER DE RETO

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Paulo Rocha França Neto.
2016 a AtualAVALIAÇÃO DA FUNÇÃO INTESTINAL E DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES APÓS RESSECÇÃO COLORRETAL NO TRATAMENTO DA ENDOMETRIOSE PÉLVICA PROFUNDA

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Luciana Maria Pyramo da Costa.
2015 a AtualAVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES COM SINDROME DA RESSECÇÃO ANTERIOR DO RETO ANTES E APÓS O USO DA IRRIGAÇÃO INTESTINAL RETRÓGRADA

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Rodrigo Gomes da silva, Franciele Profeta.
2015 a AtualAVALIAÇÃO DOS RESULTADOS FUNCIONAIS E QUALIDADE DE VIDA DE PACIENTES A PROCTOCOLECTOMIA TOTAL E CONFECÇÃO DE RESERVATÓRIO ÍLEOANAL.

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), ADRIANA CHEREM ALVES, Claudio Saddy Rodrigues Coy, Priscila Fernandes Alves.
2015 a Atual?ALTERAÇÕES ULTRASSONOGRÁFICAS EM PACIENTES SUBMETIDOS A FISTULOTOMIA ANAL COM SEDENHO CORTANTE?

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Kelly C.L.R. Buzatti, Silva, Rodrigo Gomes, Ana Carolina P. André, sthella Maria Murad Regadas.
2014 a AtualAvaliação da Utilização da Pesquisa de Sangue Oculto nas Fezes na Prática Clínica em Belo Horizonte, MG

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), SENA, KANTHYA ARREGUY DE.
2013 a AtualESTUDO PROSPECTIVO DA ACEITAÇÃO DO PROTOCOLO MULTIMODAL DE RECUPERAÇÃO ACELERADA (?FAST TRACK?) EM PACIENTES SUBMETIDOS A CIRURGIA COLORRETAL LAPAROSCÓPICA.
Tese de doutorado
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Fábio Lopes de Queiroz, ADRIANA CHEREM ALVES.
2012 a AtualFatores preditores de recidiva pós-operatória na Doença de Crohn
Estudo da interação entre neutrófilos, quimiocina e peptídeos mitocondriais na fisiopatologia das hepatites agudas não infecciosas
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador).
2010 a AtualO reestadiamento do carcinoma coloretal a parti do uso da solução clarificadora para dissecção de linfonodos em espécimes cirúrgicos
Estudar o reestadiamento do carcinoma coloretal a parti do uso da solução clarificadora para dissecção de linfonodos em espécimes cirúrgicos
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Magda Maria Profeta da Luz, Mônica Maria Demas Álvares Cabral.
2008 a AtualAvaliação do grau de regressão histopatológica do câncer colorretal após tratamento neoadjuvante e cirurgia radical.

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Magda Maria Profeta da Luz, Mônica Demas Cabral.
2007 a AtualVisâo do paciente quanto à presença de estudantes de medicina durante a realização de exame proctológico em ambulatório.
Trabalho biinstitucional
Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Isabela Pessoa Elias, Fernanda C. Parreiras.
2006 a AtualCirurgia colorretal vídeo-laparoscópica

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Rodrigo Gomes da silva, Magda Maria Profeta da Luz, bernardo hanan, leonardo maciel da fonseca, Augusto Neiva.
1997 a AtualDistúrbios da defecação - Testes de fisiologia colo-reto-anal

Integrantes: Antonio Lacerda Filho (coordenador), Rodrigo de Almeida Paiva, Marisa Fonseca Magalhães, Marcílio José Rodrigues Lima.

Projetos de desenvolvimento em andamento

Veja todos os projetos no Currículo Lattes

Últimas publicações

Artigos em periódicos

Surgical results and quality of life of patients submitted to restorative proctocolectomy and ileal pouch-anal anastomosis
2021. REVISTA DO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (ONLINE).
Fatores associados a não reconstrução do trânsito intestinal em pacientes com câncer retal submetidos à ressecção anterior do reto e ileostomia de proteção.
2019. REVISTA DO COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIÕES (ONLINE).
Magnetic resonance imaging is effective in assessing tumour regression after neoadjuvancy in rectal adenocarcinoma
2018. International Journal of Radiology & Radiation Therapy.
Peritoneal carcinomatosis treated with cytoreductive surgery and intraperitoneal chemotherapy
2018. JOURNAL OF COLOPROCTOLOGY (RIO DE JANEIRO. IMPRESSO).
Small-Cell Neuroendocrine Carcinoma Associated With Non-Adenoma-Like Raised Lesion In Patient With Long-Standing Ulcerative Colitis
2016. Journal of Crohn's and Colitis (Print).
The role of lymph node revealing solution on the improvement of lymph node harvest in colorectal cancer specimens
2016. Colorectal Disease.
CHRONIC CONSTIPATION - the role of clinical assessment and colorectal physiologic tests to obtain an etiologic diagnosis
2008. Arquivos de Gastroenterologia (Online).
Early oncological results of abdominoperineal esection for rectal cancer: the challenge after the introduction of total mesorectal excision
2006. Applied Cancer Research.
Outpatient Haemorrhoidectomy Under Local Anaesthesia
1997. European Journal of Surgery.

Trabalhos completos em congressos


Resumos expandidos em congressos


Resumos em congressos

Quality of life assessment of patients with low anterior resection syndrome after transanal irrigation
2020. Annual Meeting of American Society of Colorectal Surgeons.
Avaliacão da qualidade de vida de pacientes com síndrome da ressecc ̧ão anterior do reto antes e após o uso de irrigac ̧ão transanal
2019. 68o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
ASPECTOS TÉCNICOS DA RESSECC¸ ÃO DE TUMORES PRÉ-SACRAIS ATRAVÉS DE ABORDAGEM POSTERIOR À KRASKE
2018. 67o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
PROCTOCOLECTOMIA TOTAL COM CONFECC¸ ÃO DE RESERVATÓRIO ILEAL EM PACIENTE COM DIAGNÓSTICO DE DOENC¸ A DE CROHN: UM RELATO DE CASO
2018. 67o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
EXCISÃO TOTAL DO MESOCÓLON: LINFADENECTOMIA PARA-AÓRTICA LAPAROSCÓPICA EM RETOSSIGMOIDECTOMIA
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
RETOPEXIA VENTRAL LAPAROSCÓPICA PARA PROLAPSO RETAL
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA DE ESPÉCIMES DE HEMORROIDECTOMIAS
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
RECONSTRUC¸ ÃO VAGINAL COM RETALHO FASCIOCUTÂNEO GLÚTEO APÓS-A RESSECC¸ ÃO DE RECIDIVA DE ADENOCARCINOMA DE RETO
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
TÉCNICA DE CROMOSCOPIA
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
CIRURGIA ROBÓTICA NO TRATAMENTO DO CÂNCER COLORRETAL
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
ANÁLISE DE SOBREVIDA E FATORES PROGNÓSTICOS APÓS AMPUTAC¸ ÃO ABDOMINOPERINEAL EXTRAELEVADORA DO RETO
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
ASPECTOS COLONOSCÓPICOS DE PACIENTES OCTAGENÁRIOS
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
IMPACTO DA REAVALIACÃO DO CÓLON ASCENDENTE DE FORMA CONVENCIONAL NA IDENTIFICAC¸ ÃO DE PÓLIPOS
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
ALTERACÕES MORFOLÓGICAS ULTRASSONOGRÁFICAS NOS PACIENTES SUBMETIDOS A FISTULOTOMIA COM SEDENHO CORTANTE
2017. 66o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Proctocolectomia total com reservatório ileal para tratamento cirúrgico de constipação: relato de caso
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Reparo de fístula reto-vaginal por doença de Crohn recidivada pela técnica de Knapstein
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Correção de fístula retovaginal com de retalho de Martius: vídeo com relato da técnica cirúrgica
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
- Avaliação do uso da cromoscopia com indigo carmim na detec-ção de pólipos no ceco e no cólon ascendente
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Osteomielite sacral como complicação tardia de bolsa ileal: relato de caso
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Malignização de fístula perianal em doença de Crohn: relato de caso
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Sobrevida versus número de linfonodos em peças-cirúrgicas de excisão total do mesorreto por câncer de reto pós-radioterapia neoadjuvante
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.
Grau de regressão do adenocarcinoma de reto avaliado pela ressonância magnética e pela histopatologia após radioterapia e quimioterapia neoadjuvantes
2016. 65o Congresso Brasileiro de Coloproctologia.

Veja todas as publicações no Currículo Lattes

Orientações em andamento

Mestrado

Doutorado

Fabio Henrique de Oliveira. Avaliação do uso de Plaquetas Ricas em Fibrina na cicatrização de anastomoses colônicas em ratos. Início: 2019. Faculdade de Medicina da UFMG (Orientador principal)
Paulo Rocha França Neto. Avaliação do impacto da disfunção gênito-urinária e da síndrome da ressecção anterior na qualidade de vida de pacientes em pós-operatório tardio de retossigmoidectomia baixa por câncer de reto. Início: 2016. Faculdade de Medicina da UFMG (Orientador principal)
Luciana Maria Pyramo Costa. Avaliação da função intestinal e da qualidade de vida de pacientes após ressecção colorretal no traamento da endometriose intestinal pélvica profunda. Início: 2016. Faculdade de Medicina da UFMG (Orientador principal)

Veja todas as orientações no Currículo Lattes