DCC - UFMG
+55 31 3409 5860
ciia-saude@dcc.ufmg.br

Ana Beatriz Gorini da Veiga


Ana Beatriz Gorini da Veiga

Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre
Departamento de Ciências Básicas da Saúde

Pesquisador associado





Informações resumidas do Currículo Lattes


Currículo Lattes atualizado em 06/04/2021

Nome em citações bibliográficas: VEIGA, A. B. G.;Gorini da Veiga, Ana Beatriz;Veiga, Ana Beatriz Gorini da;VEIGA, ANA BEATRIZ GORINI;Ana B. Gorini da Veiga;Ana Beatriz Gorini da Veiga;et al.;VEIGA, ANA B. G.;Gorini da Veiga, A.B.;Veiga, A.B.;DA VEIGA, ANA BEATRIZ GORINI;VEIGA, ANA


Formação acadêmica

Doutorado em Biologia Celular e Molecular na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2005
Mestrado em Biologia Celular e Molecular na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 2001
Graduado em Licenciatura e Bacharelado em Ciencias Biologicas na Universidade Federal do Rio Grande do Sul em 1999


Projetos de pesquisa em andamento

2021 a AtualEncapsulamento da biomolécula BZ371A para aplicações terapêuticas
O projeto BZ371A enquadra-se em duas principais Áreas de Tecnologias Prioritárias do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, bem como em três linhas: biotecnologia, nanotecnologia e saúde. O projeto é voltado para o tratamento da disfunção erétil (DE), um distúrbio médico comum que afeta principalmente homens com mais de 40 anos de idade, é definida como "a incapacidade de atingir e / ou manter uma ereção suficiente para um desempenho sexual satisfatório" e tem sido associada a fatores orgânicos e psicogênicos. O BZ371A foi projetado racionalmente, com base em estudos de bioinformática, para obter uma fração modificada da toxina original de uma espécie de aranha, que mantém a ação da ereção sem causar os efeitos colaterais associados à toxina original PnTx2-6. O peptídeo BZ371A potencializa a ereção através de um aumento na produção de NO / cGMP, mostrando um modo de ação diferente em comparação aos medicamentos atualmente comercializados e, portanto, representa um novo tratamento alternativo para DE, especialmente para aqueles pacientes que não respondem ao atual tratamento de primeira linha. Além disso, este peptídeo mostra um efeito sinérgico com PDE5i e, portanto, pode ser usado também para pacientes com resposta parcial a essa classe de fármacos. Estudos ex vivo e in vivo realizados em ratos saudáveis demonstraram que o BZ371A administrado topicamente ao pênis foi capaz de induzir a ereção, indicando um potencial para aplicação local não invasiva. Um primeiro estudo clínico em humanos demonstrou que o peptídeo é seguro e tolerável para homens e mulheres e também demonstrou o aumento do fluxo sanguíneo no pênis e no clitóris. Dessa forma, o projeto visa a produção de uma formulação para aplicação transdérmica do peptídeo BZ371A como forma alternativa ao tratamento da DE. Objetivos: Produzir microemulsão para administração transdérmica da biomolécula BZ371A para o tratamento de disfunção erétil.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Tanira Aguirre.
2020 a AtualEpidemiologia Molecular do Coronavírus SARS-CoV-2 no Rio Grande do Sul ? Relações filogenômicas, análise de mutações e detecção de coinfecções
No final de 2019, um novo coronavírus, SARS-CoV-2, emergiu na população humana e rapidamente se espalhou por diversos países, causando uma infecção respiratória denominada COVID-19,1 a qual foi declarada pandemia pela Organização Mundial da Saúde em 11 de março de 2020.2 Até então, seis tipos de coronavírus capazes de causar infecção respiratória em humanos eram conhecidos: os alphacoronavirus 229E e NL63 e os betacoronavirus HKU1 e OC43, responsáveis por 15?30% das infecções respiratórias anuais; e os altamente patogênicos SARS-CoV e MERS-CoV, que causaram importantes epidemias em 2002?2003 e em 2012, respectivamente, com altas taxas de mortalidade.3 No Brasil, o primeiro caso de infecção por SARS-CoV-2 foi confirmado no dia 26 de fevereiro de 20204 e, no Rio Grande do Sul (RS), em 10 de março de 2020.5 Em ambos os casos, os indivíduos haviam viajado ao exterior e retornaram já infectados. Em 20 de março de 2020, a COVID-19 passou a ser considerada doença de transmissão comunitária em todo o território brasileiro,6 sendo que, no RS, 720 casos já foram confirmados, com 18 óbitos (até 14 de abril de 2020).7 Indivíduos infectados pelo SARS-CoV-2 podem ser assintomáticos ou apresentar sintomas que variam de leves e moderados (com tosse, febre, dor de cabeça e aumento da frequência respiratória), até sintomas graves e quadro crítico com pneumonia e necessidade de ventilação mecânica.8,9 O agravamento dos sintomas está associado à alta produção de citocinas e a uma resposta inflamatória exacerbada do indivíduo.9 Até o momento, não há vacina nem tratamento específicos para a COVID-19 e pouco se sabe sobre a doença, e a maioria dos estudos epidemiológicos e moleculares publicados são baseados em casos ocorridos em países como China e Itália, sendo necessário estudos com populações de outros países.10 No Rio Grande do Sul, ainda não há estudos epidemiológicos nem genômicos envolvendo SARS-CoV-2. Nesse contexto, conhecer os perfis circulantes desse vírus no estado poderá contribuir para o entendimento da epidemiologia do SARS-CoV-2. Além disso, o estudo do viroma e do microbioma do trato respiratório superior dos pacientes fornecerá informações importantes acerca dos organismos patogênicos associados aos casos de síndrome respiratória aguda grave durante a pandemia da COVID-19.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Letícia Garay Martins, GREGIANINI, TATIANA SCHÄFFER, Adriana Seixas, Ana Paula Muterle Varela, Janira Prichula, Fabiano Quoos Mayer.
2019 a AtualEpidemiologia Molecular de Infecções Respiratórias Virais no Rio Grande do Sul ? Suporte no Combate a Epidemias e Pandemias
Infecções respiratórias virais são um problema de saúde pública, causando a morte de milhões de pessoas por ano no mundo. O combate a essas doenças depende de medidas de prevenção, tratamento e controle da disseminação dos agentes patogênicos, baseadas em estudos epidemiológicos, conhecimento do patógeno e da relação patógeno-hospedeiro. A vigilância epidemiológica das infecções respiratórias virais baseada na notificação dos casos de infecção respiratória e monitoramento dos vírus respiratórios circulantes é uma das estratégias de prevenção, controle e mitigação de epidemias e pandemias. Um dos problemas é que a maioria dos casos notificados são decorrentes da infecção por vírus influenza, sendo influenza A (IAV) o vírus respiratório mais estudado, enquanto outros vírus respiratórios que também causam doença grave são subnotificados, tais como vírus influenza B (IBV), vírus respiratório sincicial (RSV), rinovírus (HRV), vírus parainfluenza (hPIV), adenovírus (HAdV), metapneumovírus (hMPV) e coronavírus (HCoV). Nesse contexto, no final de 2019 vimos surgir um novo coronavírus, que vem causando a COVID-19, pandemia sem precedentes no que diz respeito ao agente etiológico e aos impactos sócio-econômicos. Outro problema é o atraso entre a ocorrência, o diagnóstico e a notificação de um caso, o que tem se tornado mais evidente na pandemia de COVID-19. A inteligência artificial e o aprendizado de máquina têm se mostrado ferramentas úteis para predição de epidemias com base em dados pré-existentes, o que contribui para que o sistema de saúde pública se prepare para enfrentamento mais efetivo dos surtos de infecções respiratórias durante epidemias, reduzindo custos com contratações emergenciais e outras estruturas necessárias ao tratamento dos pacientes, as quais geralmente são mais onerosas quando contratadas em caráter emergencial. A fim de contribuir para o conhecimento de vírus respiratórios e para o sistema de vigilância epidemiológica, este projeto propõe analisar amostras de nasofaringe de pacientes com infecção respiratória por técnicas moleculares (RT-qPCR, sequenciamento) para investigação de vírus respiratórios e estudo de microbioma e viroma; os dados moleculares serão correlacionados com sintomas da infecção. Serão realizadas análises filogenéticas entre vírus circulantes no RS e em outras regiões geográficas e análise de mutações nos genomas e proteínas virais. Os dados de notificação dos casos serão analisados em modelos de predição de curvas epidêmicas utilizando aprendizado de máquina, contribuindo para o preparo dos sistemas de saúde no enfrentamento de surtos. O projeto terá colaboração de pesquisadores de diferentes instituições, possibilitando aprofundar as pesquisas já realizadas pelo nosso grupo e alcançar resultados inéditos com contribuição para o conhecimento sobre vírus respiratórios no sul do Brasil e para desenvolvimento de metodologias que possam ser aplicadas no diagnóstico de rotina dessas infecções.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Gregianini, Tatiana Schaffer, Letícia Garay Martins, Adriana Seixas, Marcelo Ferreira da Costa Gomes, Ana Paula Muterle Varela, Janira Prichula, Fabiano Quoos Mayer.
2019 a AtualPerfil epidemiológico dos desastres no Brasil

Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Abner Freitas, Regina Witt.
2012 a AtualEpidemiologia Molecular das Arboviroses de ocorrência no Rio Grande do Sul
Estudo dos casos de infecções por arbovírus no Rio Grande do Sul, incluindo Dengue, Chikungunya e Zika.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Zenaida Marion Alves Nunes, Gregianini, Tatiana Schaffer.
2012 a AtualCaracterização de genes humanos associados à resposta virológica sustentada e ao prognóstico em pacientes monoinfectados pelo vírus da hepatite B ou pelo vírus da hepatite C e em pacientes coinfectados pelo HIV.

Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Lenise S. Oliveira, Cristiane Valle Tovo, Ângelo Alves de Mattos, Adaliany C. Silva, Dimas Kliemann.
2011 a AtualInfecções respiratórias virais no Rio Grande do Sul
Análise epidemiológica e molecular de vírus respiratórios humanos no RS.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Paulo Michel Roehe, Gregianini, Tatiana Schaffer, Tiago Bittencourt de Oliveira.
2009 a AtualEmprego de ferramentas de Bioinformática para o estudo de vírus patogênicos humanos ? Análise filogenética e relação entre carga viral e evolução do quadro clínico

Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Pedro D'Azevedo, Cecília Dias Flores, Nélson Alexandre Kretzmann, Fernando H. Sant'Anna, Luiz Gustavo dos Anjos Borges, Paulo Roberto Vargas Fallavena, Aline Gehlen Dall-Bello.
2009 a AtualBioinformática Aplicada às Ciências da Saúde
O projeto está em desenvolvimento desde 2009, fazendo parte do Programa de Iniciação à Docência da UFCSPA.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Cecília Dias Flores, Rafael Schwab, Lisiane Smiderle.
2009 a AtualEstudo molecular e epidemiológico de vírus patogênicos humanos ? Análise filogenética e relação entre carga viral e evolução do quadro clínico.
O projeto tem por objetivo identificar e caracterizar vírus patogênicos humanos, principalmente aqueles envolvidos com infecções respiratórias e hepatites, além de febre amarela e dengue, em amostras de pacientes no Rio Grande do Sul. O projeto inclui a construção de redes filogenéticas e moleculares para melhor compreensão do papel desses vírus nas infecções, bem como a relação com os dados epidemiológicos.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Pedro D'Azevedo, Sergio Luis Amantea, Vlademir Vicente Cantarelli, Kretzmann, Nélson Alexandre, Lenise S. Oliveira, Cristiane Valle Tovo, Paulo Roberto Vargas Fallavena, Ângelo Alves de Mattos, Aline Gehlen Dall-Bello, Giorgia Marasca, Adaliany C. Silva, Huander Andreolla, Dimas Kliemann, Lucas de Oliveira Pereira Ribeiro, Vinícius Pierdona Lima, Rhayssa Marca Firpo, Priscila Lemos Tavares.
2009 a AtualVírus Respiratórios no Rio Grande do Sul, Brasil
As infecções respiratórias virais constituem um problema de saúde pública global, causando a morte de milhões de pessoas, por ano, no mundo. O combate a essas doenças depende de medidas de prevenção, tratamento e controle dos patógenos, com base em estudos epidemiológicos, conhecimento do agente patogênico e compreensão da relação patógeno-hospedeiro. Os vírus influenza, principalmente o influenza A, são os vírus respiratórios mais estudados, principalmente por causarem pandemias na população humana. Não obstante, outros vírus respiratórios causam doença grave, como o Vírus Sincicial Respiratório; Rinovírus Humano; Vírus Parainfluenza 1, 2 e 3; Adenovírus Humano; e Metapneumovírus. Entretanto, esses vírus são menos estudados e, muitas vezes, subnotificados, principalmente em países em desenvolvimento. A fim de melhor entender a epidemiologia das infecções respiratórias no Rio Grande do Sul, este projeto propõe a análise de amostras de nasofaringe de pacientes com infecção respiratória a fim de identificar o tipo viral encontrado e correlacionar com os sintomas da infecção. As amostras serão analisadas por técnicas moleculares (PCR, RT-PCR, sequenciamento), imunofluorescência direta e cultivo viral em células em cultura. As sequências virais serão analisadas com ferramentas de Bioinformática para inferir relações filogenéticas entre os vírus circulantes no RS e aqueles de outras regiões geográficas. Além disso, serão realizadas análises in silico das mutações encontradas nos genomas desses vírus e das proteínas virais com base nas sequências obtidas. Paralelamente, também poderá ser realizada análise metagenômica para identificar outros microorganismos presentes nas amostras. O projeto terá colaboração de pesquisadores de diferentes instituições (UFCSPA, UFRGS, LACEN-RS, Secretaria da Saúde), o que possibilitará aprofundar a pesquisa que é realizada pelo nosso grupo, permitindo alcançar resultados inéditos com significativa contribuição para o conhecimento sobre os vírus respiratórios no sul do Brasil.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Gregianini, Tatiana Schaffer, Adolfo García-Sastre, GHEDIN, ELODIE, MARTINS, LETÍCIA GARAY.

Projetos de desenvolvimento em andamento

2020 a AtualAdministração transdérmica da biomolécula BZ371A para o tratamento de disfunção erétil.
O BZ371 é um novo fármaco brasileiro com mecanismo de ação único e inovador, eficaz e seguro, e com potencial ação terapêutica. Quando administrado por via ocular, reduz a pressão intraocular, podendo ser utilizado no tratamento de glaucoma; quando administrado oralmente, é capaz de causar broncodilatação e vasodilatação, com redução da pressão da artéria pulmonar, podendo ser utilizado no tratamento de hipertensão arterial pulmonar. Mais recentemente, seu uso tópico tem sido proposto para o tratamento da disfunção erétil. A disfunção erétil (DE), um distúrbio médico comum que afeta principalmente homens com mais de 40 anos de idade, é definida como "a incapacidade de atingir e/ou manter uma ereção suficiente para um desempenho sexual satisfatório" e tem sido associada a fatores orgânicos e psicogênicos. O BZ371A foi projetado racionalmente com base em estudos de bioinformática, para obter uma fração modificada da toxina PnTx2-6 de aranha; o BZ371A mantém a ação da ereção sem causar os efeitos colaterais associados à PnTx2-6 original. O peptídeo BZ371A potencializa a ereção através de um aumento na produção de NO/cGMP, mostrando um modo de ação diferente em comparação aos medicamentos atualmente comercializados e, portanto, representa um novo tratamento alternativo para DE, especialmente para aqueles pacientes que não respondem ao atual tratamento de primeira linha. Além disso, este peptídeo mostra um efeito sinérgico com PDE5i e, portanto, pode ser usado também para pacientes com resposta parcial a essa classe de fármacos. Estudos ex vivo e in vivo realizados em ratos saudáveis demonstraram que o BZ371A administrado topicamente ao pênis foi capaz de induzir a ereção, indicando um potencial para aplicação local não invasiva. Um primeiro estudo clínico em humanos demonstrou que o peptídeo é seguro e tolerável para homens e mulheres e também demonstrou o aumento do fluxo sanguíneo no pênis e no clitóris. Dessa forma, o projeto visa a produção otimizada de uma formulação para aplicação transdérmica do peptídeo BZ371A como forma alternativa ao tratamento da DE.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Tanira Aguirre.
2009 a AtualBioinformática Aplicada às Ciências da Saúde
Projeto em desenvolvimento desde 2009, dentro do Programa de Iniciação à Docência da UFCSPA.
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Cecília Dias Flores, Rafael Schwab, Jamile Dutra Corrêa, Lisiane Smiderle.
2008 a AtualLABIOINFO: Implantação de Laboratório de Bioinformática e Biologia Computacional da UFCSPA.
Coordenadora do Projeto, contemplado pelo Edital PROINFRA-FINEP 01/2007 (Ref. 0182/08).
Integrantes: Ana Beatriz Gorini da Veiga (coordenador), Cecília Dias Flores.
Veja todos os projetos no Currículo Lattes

Últimas publicações

Artigos em periódicos

Gene expression evaluation of antioxidant enzymes in patients with hepatocellular carcinoma: RT-qPCR and bioinformatic analyses
2021. GENETICS AND MOLECULAR BIOLOGY (ONLINE VERSION).
Epidemiology of Influenza B infection in the State of Rio Grande do Sul, Brazil, from 2003 to 2019
2021. Journal of Medical Virology.
Control and prevention of infectious diseases from a One Health perspective
2021. GENETICS AND MOLECULAR BIOLOGY (ONLINE VERSION).
Epidemiology of human adenovirus associated with respiratory infection in southern Brazil
2020. REVIEWS IN MEDICAL VIROLOGY.
More than just a common cold: Endemic coronaviruses OC43, HKU1, NL63, and 229E associated with severe acute respiratory infection and fatality cases among healthy adults
2020. Journal of Medical Virology.
Covid-19 em contexto: comparação com a mortalidade mensal por causas respiratórias nos estados brasileiros
2020. Inter American Journal of Medicine and Health.
Prevalence of asthma, allergic rhinitis and pollinosis in a city of Brazil: a monitoring study
2020. ALLERGOLOGIA ET IMMUNOPATHOLOGIA.
Beyond diversity loss and climate change: Impacts of Amazon deforestation on infectious diseases and public health
2020. ANAIS DA ACADEMIA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS (ONLINE).
A 12-year study of fungal infections in Rio Grande do Sul, Southern Brazil
2019. REVISTA IBEROAMERICANA DE MICOLOGIA.
Prevalence of symptoms of asthma and allergic rhinitis in children in Southern Brazil: a ten-year monitoring study
2019. JOURNAL OF ASTHMA.
A 28-year study of human parainfluenza in Rio Grande do Sul, Southern Brazil
2019. JOURNAL OF MEDICAL VIROLOGY.
Dual and triple infections with Influenza A and B viruses: a case-control study in Southern Brazil
2019. JOURNAL OF INFECTIOUS DISEASES.
Dengue in Rio Grande do Sul, Brazil: 2014-2016
2018. REVIEWS IN MEDICAL VIROLOGY.
Is recurrent respiratory infection associated with allergic respiratory disease?
2018. JOURNAL OF ASTHMA.
Comparison of the nasopharynx microbiome between influenza and non-influenza cases of severe acute respiratory infections: A pilot study
2018. Health Science Reports.
Emerging arboviruses in Rio Grande do Sul, Brazil: Chikungunya and Zika outbreaks, 2014-2016
2017. REVIEWS IN MEDICAL VIROLOGY.
Identification of hepatitis B virus A1762T/G1764A double mutant strain in patients in Southern Brazil
2017. Brazilian Journal of Infectious Diseases.
Polymorphisms and resistance mutations of hepatitis C virus on sequences in the European hepatitis C virus database
2016. World Journal of Gastroenterology.
FREQUENCY OF THE MDR1 GENE POLYMORPHISM RS1045642 (C3435T) IN HCV-HIV CO-INFECTED PATIENTS
2016. Arquivos de Gastroenterologia (Online).
Genetic Barrier to Direct Acting Antivirals in HCV Sequences Deposited in the European Databank
2016. Plos One.
Viral load and epidemiological profile of patients infected by pandemic influenza a (H1N1) 2009 and seasonal influenza a virus in Southern Brazil
2012. Journal of Medical Virology (Print).
A catalog for the transcripts from the venomous structures of the caterpillar Lonomia obliqua: identification of the proteins potentially involved in the coagulation disorder and hemorrhagic syndrome.
2005. Gene (Amsterdam).
Structures involved in production, secretion and injection of the venom produced by the caterpillar Lonomia obliqua (Lepidoptera, Saturniidae)
2001. Toxicon (Oxford).

Trabalhos completos em congressos

Delineamento Inicial dos Parâmetros Necessários para a Construção de um Curso Teórico de Biologia Molecular na Modalidade à Distância
2012. Seventh Latin American Conference on Learning Objects and Technologies ? LACLO 2012. 0
A catalog for the transcripts from the venomous structures of the caterpillar Lonomia obliqua: identification of the proteins potentially involved in the coagulation disorder and hemorrhagic syndrome.
2005. Second Annual Graduate Student Research Symposium ? The Faces of Tomorrow's Science. National Institutes of Health (NIH). 1
Comparative study of anti-hemostatic activities from different materials of Lonomia obliqua.
2002. XXXI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular. 2
Purification and characterization of a fibrin(ogen)olytic activity from Lonomia obliqua caterpillars.
2002. XXXI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular. 3
Fibrin(ogen)olytic activity of four materials from Lonomia obliqua.
2002. XXXI Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Bioquímica e Biologia Molecular. 4

Resumos expandidos em congressos


Resumos em congressos

Epidemiology of human adenovirus associated to respiratory infection in Southern Brazil
2021. Congresso Brasileiro de Virologia & Encontro de Virologia do Mercosul.
Efficacy Double Blind Placebo Controlled assessment trial of allergen immunotherapy in children with asthma/wheeze, allergic rhinitis and respiratory infections at Public Health in South Brazil
2020. EAACI Congress 2020 ? Bridging Innovations into Allergy and Asthma Prevention.
Influenza A virus diversity in clinical samples from Brazil
2016. 29th Symposium on Virus-Host Interactions.
Molecular epidemiology of Influenza A in Southern Brazil from 2009 to 2015
2016. Options for the Control of Influenza IX ? ISIRV meeting.
Study of polymerase segments reassortment of influenza vírus A (H1N1) pdm09 and H7N9 in human influenza virus
2015. XXVI Congresso Brasileiro de Virologia; X Encontro de Virologia do MERCOSUL.

Veja todas as publicações no Currículo Lattes

Orientações em andamento

Mestrado

Amauri Duarte da Silva. Aplicando Aprendizado de Máquina na Predição de Surtos de SRAG. Início: 2020. Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Orientador principal)
Fernanda Pereira da Silva Carpeggiani. Desenvolvimento de um software de Indicadores de Desempenho para Laboratório Clínico. Início: 2020. Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Orientador principal)
Thiago Tepasse de Brum. Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa no Complexo Hospitalar da Santa Casa de Porto Alegre. Início: 2020. Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Orientador principal)
Lucimara de Lima dos Santos. Desenvolvimento de um sistema de gerenciamento de informações em um setor hospitalar. Início: 2019. Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (Co orientador)

Doutorado

Veja todas as orientações no Currículo Lattes